Para Marin, objetivo da seleção foi alcançado com vaga na final

sexta-feira, 28 de junho de 2013 19:55 BRT
 

RIO DE JANEIRO, 28 Jun (Reuters) - O principal objetivo do Brasil na Copa das Confederações já foi alcançado quando a equipe garantiu vaga na final da competição, segundo o presidente da Confederação Brasileira de Futebol, José Maria Marin, que, ao contrário do craque Neymar, não acha a Espanha favorita para a decisão de domingo, no Maracanã.

"Será o grande teste, o maior até agora da nossa seleção, mas tenho confiança", declarou Marin à Reuters.

O presidente da CBF e do Comitê Organizador Local (COL) do Mundial de 2014 se mostrou satisfeito com o desempenho do Brasil na Copa das Confederações, após vitórias contra seleções de tradição como Itália, Uruguai e México.

Antes do início da competição, um clima de desconfiança rondava o Brasil em virtude do novo trabalho comandado por Felipão e pela dificuldade da seleção em vencer amistosos preparatórios.

"Estou feliz e satisfeito. A equipe brasileira vem evoluindo e correspondendo", afirmou ele à Reuters no Maracanã, palco da final de domingo.

Marin acha que o Brasil, após a sequência de vitórias na Copa das Confederações, conquistou um importante aliado para a sequência do trabalho até 2014: a torcida brasileira.

"Trouxemos a torcida para o nosso lado e o Brasil conquistou a torcida. Temos que agradecer esse apoio que aconteceu em todos os momentos", afirmou.

Brasil e Espanha não se enfrentam desde 1999 e a geração de Xavi, Iniesta e companhia jamais jogou contra a seleção pentacampeã mundial. "Se estamos fazendo testes visando a Copa do Mundo, nada melhor que a Espanha. Essa era a final que esperávamos. Vamos enfrentar a campeã do mundo", disse o presidente da CBF.

Mais cedo, em entrevista coletiva na concentração da seleção brasileira, o craque Neymar reconheceu a força da Espanha ao afirmar que os campeões mundiais são os favoritos no domingo e têm o melhor time no momento.   Continuação...

 
O presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), José Maria Marin, concede entrevista coletiva no Rio de Janeiro nesta sexta-feira. 28/06/2013 REUTERS/Sergio Moraes