Blatter deixa protestos de lado e diz que Fifa sai fortalecida da Copa das Confederações

sexta-feira, 28 de junho de 2013 19:54 BRT
 

RIO DE JANEIRO, 28 Jun (Reuters) - O presidente da Fifa, Joseph Blatter, deixou de lado a onda de manifestações que foi pano de fundo da Copa das Confederações no Brasil e disse que o futebol foi algo "positivo" para o país.

O suíço se disse confiante de que a Copa do Mundo do ano que vem no Brasil será um sucesso e seu porta-voz, Walter De Gregorio, citou uma pesquisa que aponta que 71 por cento da população quer que o país seja anfitrião do torneio.

"A Fifa saiu fortalecida", disse Blatter em entrevista coletiva no Maracanã, que receberá a final entre Brasil e Espanha No domingo.

"O futebol desempenhou um papel positivo aqui e deu emoção. Quando dizemos que o futebol conecta as pessoas, que conecta as pessoas no estádio, talvez lamentavelmente tenha conectado as pessoas nas ruas."

"Posso entender esse mal-estar social, absolutamente, mas por outro lado, neste momento o futebol leva esperança e emoção a todo o continente", acrescentou.

O Brasil vive uma onda de manifestações durante a Copa das Confederações, um ensaio prévio para o Mundial, que será disputado em 12 cidades no ano que vem.

Embora os manifestantes tenham um grande número de reclamações, uma das principais queixas tem sido o contraste entre os novos estádios para os eventos e a baixa qualidade dos serviços públicos, como saúde, educação e transporte.

Eles também mostram irritação porque o Brasil rompeu a promessa de não gastar dinheiro público nos estádios, ao mesmo tempo que não foram construídos muitos projetos de infraestrutura.

Durante as manifestações, a tropa de choque disparou balas de borracha e bombas de gás lacrimogêneo contra os manifestantes, mas Blatter preferiu se concentrar nos estádios e na qualidade das partidas.

"Do ponto de vista organizacional, estou particularmente feliz com o que aconteceu", disse Blatter. "No campo, esta foi a Copa das Confederações de maior nível que organizamos, as partidas foram muito tensas, atrativas."

(Reportagem de Brian Homewood, em Berna)

 
O presidente da Fifa, Joseph Blatter, ouve uma pergunta durante entrevista coletiva no Rio de Janeiro nesta sexta-feira. 28/06/2013 REUTERS/Sergio Moraes