Fifa vê Copa das Confederações em 80% e promete ingresso barato para Mundial

segunda-feira, 1 de julho de 2013 20:39 BRT
 

RIO DE JANEIRO, 1 Jul (Reuters) - A Fifa considera que o Brasil merece uma nota 8 pela preparação da Copa das Confederações, segundo o secretário-geral da entidade, Jérôme Valcke, que promete os ingressos mais baratos da história dos Mundiais para a Copa de 2014.

A nota brasileira foi meio ponto melhor que a concedida pela própria Fifa durante a Copa das Confederações da África do Sul, em 2009, porém menor que a dada pelo ministro do Esporte, Aldo Rebelo. Em entrevista à Reuters na sexta-feira, Aldo falou que o Brasil merecia uma nota 9.

"Posso dizer que a Copa das Confederações foi 80 por cento... isso é bom faltando um ano para a Copa do Mundo", disse Valcke em entrevista coletiva no Rio de Janeiro, para fazer um balanço da Copa das Confederações.

O secretário-geral da Fifa evitou comparações mais aprofundadas entre a preparação do Brasil e da África do Sul antes do Mundial. "Vocês fizeram um grande evento. Não devemos comparar; uma grande Copa e uma final inesquecível... o desafio agora é de 12 sedes e não mais de 6 sedes", afirmou Valcke.

O torneio de junho foi marcado por muitas manifestações nas ruas do país e conflitos entre policiais e manifestantes perto dos estádios. Os protestos no Brasil começaram como um movimento contra o aumento da tarifa de ônibus nas principais cidades, mas rapidamente encamparam temas como o combate à corrupção e repúdio aos gastos do governo com a realização da Copa do Mundo de 2014.

A Fifa não acredita que as manifestações possam afastar interessados no Mundial de 2014. "Os torcedores virão; Copa do Mundo é um evento único. Mesmo com os protestos as pessoas virão", declarou Valcke.

Na Copa das Confederações houve ainda problemas com a distribuição de ingressos, o transporte e a alimentação nos estádios.

"Acho que cumprimos os desafios e é claro que em nenhum país do mundo os desafios são cumpridos em 100 por cento", declarou o ministro Aldo nesta segunda-feira.

Mais cedo, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, evitou dar uma nota ao evento no Brasil, que teve muitos gols (68 em 16 partidas), cerca de 805 mil espectadores e recorde de audiência de TV -- mais de 53 milhões na partida entre Brasil e Uruguai, pela semifinal.   Continuação...

 
Jogadores do Brasil passam por torcida no Maracanã após título da Copa das Confederações no domingo. REUTERS/Sergio Moraes