Chefe da F1, Ecclestone é indiciado em caso de suborno na Alemanha

quarta-feira, 17 de julho de 2013 12:36 BRT
 

MUNIQUE, 17 Jul (Reuters) - O chefe comercial da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, foi indiciado na Alemanha em um caso relativo à venda de uma participação na holding da categoria há oito anos, anunciou um porta-voz de um tribunal de Munique nesta quarta-feira.

O britânico, de 82 anos, é acusado de suborno e abuso de confiança, disse o porta-voz.

A questão envolve o possível suborno de Ecclestone a um banqueiro alemão em um negócio no qual o banco BayernLB vendeu sua participação de 48 por cento na holding da Fórmula 1 ao CVC, um fundo de private equity, que tinha o apoio de Ecclestone para ingressar na F1.

Ecclestone, que não pôde ser imediatamente contatado para comentar o assunto na quarta-feira, negou irregularidades.

O caso pode atrasar os planos preliminares para listar a empresa Fórmula 1 na bolsa de Cingapura, no final do ano. Uma tentativa anterior de listagem foi cancelada no ano passado devido à turbulência do mercado.

O empresário da Fórmula 1 continua a ser fundamental para o negócio automibilístico transformado por ele em uma máquina global de circular dinheiro, e é uma figura familiar nas corridas. Ele sempre disse não ter planos de se aposentar e não há nenhum sucessor óbvio.

O caso surgiu após Ecclestone ter feito pagamentos a Gerhard Gribkowsky, ex-diretor de risco do BayernLB, que foi preso no ano passado por sonegação de impostos.

Ecclestone negou que os pagamentos a Gribkowsky fossem subornos. Em vez disso, ele disse a um tribunal de Munique, em novembro de 2011, que pagou Gribkowsky para "mantê-lo quieto", depois de a Alemanha pressioná-lo a respeito de seus assuntos fiscais, e não para facilitar a venda para a CVC.

O BayernLB acabou ficando com a participação na Fórmula 1 após a falência do império de mídia de Leo Kirch. O banco então atribuiu a Gribkowsky a tarefa de se livrar do negócio.

O CVC alcançou uma participação de 63 por cento na Fórmula 1, mas reduziu sua fatia para cerca de 35 por cento por meio de uma série de acordos.

(Por Irene Preisinger)

 
Diretor comercial da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, fotografado durante sessão de treinos do Grande Prêmio da Alemanha, no circuito de Nuerburgring. Ecclestone foi indiciado na Alemanha em um caso relativo à venda de uma participação na holding da categoria há oito anos, anunciou um porta-voz de um tribunal de Munique nesta quarta-feira. 5/07/2013. REUTERS/Kai Pfaffenbach