25 de Julho de 2013 / às 22:49 / 4 anos atrás

ENTREVISTA-Espanha e Alemanha ainda são melhores que Brasil, diz Parreira

Por Rodrigo Viga Gaier

RIO DE JANEIRO, 25 Jul (Reuters) - O título da Copa das Confederações, conquistado de maneira incontestável sobre a campeã mundial Espanha, não pode iludir a seleção brasileira e os jogadores têm de entender que a seleção espanhola e a da Alemanha ainda são melhores que a do Brasil, disse o coordenador técnico da seleção, Carlos Alberto Parreira, em entrevista à Reuters.

Parreira considera que o Brasil ainda é um time em formação, mesmo depois da conquista invicta e até de forma surpreendente da Copa das Confederações no mês passado, com uma vitória por 3 x 0 sobre os espanhóis na final.

A Espanha é a atual bicampeã europeia e campeã mundial. A Alemanha tem mostrado bom desempenho em amistosos e os dois times que formam a base da seleção alemã --Bayern de Munique e Borussia Dortmund-- decidiram a Liga dos Campeões da última temporada com o Bayern ficando com o título.

"Ainda falta (muito) para chegarmos a 100 por cento. O Brasil não é o melhor time do mundo. Os melhores continuam sendo Espanha e Alemanha, mas nós estamos chegando lá", afirmou Parreira à Reuters.

Parreira e outros esportistas se encontraram com o papa Francisco nesta quinta-feira, no Palácio da Cidade, no Rio de Janeiro, durante a bênção à bandeira olímpica. O coordenador revelou que está "rezando" para uma final da Copa do Mundo de 2014 entre Brasil e Argentina. "Vamos rezar e penso seriamente nisso", disse.

"O Brasil tem condições de chegar e ser campeão. A Argentina tem um timaço e uma final dessa caía muito bem, até porque sempre é saboroso jogar com eles", afirmou ele antes do encontro com o papa, que é argentino.

O líder da Igreja Católica está no Rio de Janeiro para participar da Jornada Mundial da Juventude.

A seleção brasileira chegou à Copa das Confederações desacreditada e com apenas duas vitórias em uma série de amistosos contra Itália, Rússia, Chile, Bolívia, França e Inglaterra (duas vezes). "Juntar o grupo numa segunda-feira e treinar da terça-feira apenas, não dava para esperar atuação de grande nível. Na hora que juntamos em 15 dias, fizemos um trabalho impressionante", avaliou.

No entanto, o coordenador da seleção destaca que em relação ao começo do ano, quando Luiz Felipe Scolari assumiu o cargo de técnico da seleção, o Brasil evoluiu bastante e já tem uma base para o Mundial de 2014.

"A confiança do torcedor foi reconquistada e a nossa também. Temos uma base para o Mundial", comemorou.

Na próxima terça-feira, a seleção será convocada pela primeira vez depois da conquista da Copa das Confederações. O Brasil fará um amistoso com a Suíça, na Europa, no mês que vem.

A tendência, segundo Parreira, é que a base da Copa das Confederações seja mantida para o amistoso. A comissão técnica fará uma convocação enxuta, com cerca de 18 atletas.

"O bom senso diz que a base deve ser mantida, com pelo menos 80 por cento", disse Parreira.

A previsão é que o Brasil pegue adversários menos tradicionais no segundo semestre, depois de uma primeira metade do ano com jogos contra seleções mais fortes, além da disputa da Copa das Confederações.

A previsão, de acordo com Parreira, é que a pressão seja menor até o fim do ano.

"Vai ser mais fácil também, porque temos um time, uma maneira de jogar e uma base definida", frisou. "Nosso objetivo, de encontrar um time e uma maneira de jogar, atingimos."

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below