Milhares de palestinos recebem o Barcelona com festa na Cisjordânia

domingo, 4 de agosto de 2013 12:09 BRT
 

Por Nidal al-Mughrabi

DURA, Cisjordânia, 4 Ago (Reuters) - Milhares de palestinos festejaram a chegada da delegação do Barcelona à Cisjordania no sábado e deram às boas vindas ao astro argentino Lionel Messi e seus companheiros.

Cerca de 25 mil espectadores, muitos usando uniformes do Barça, lotaram o novo estádio da cidade de Dura, ao sul da Cisjordânia, para assistir a uma clínica dos jogadores da equipe espanhola com 40 garotos e garotas palestinos.

Centenas de outros fãs, que tentavam acessar o estádio, acabaram ficando de fora da festa, que contou com forte policiamento local.

As ruas da cidade de Belém, onde o elenco do Barcelona visitou o tradicional local de nascimento de Jesus, e a cidade de Hebron, próxima a Dura, foram todas decoradas com bandeiras do Barcelona, e as pessoas se amontoaram nas ruas para acompanhar o trajeto do ônibus do time.

"É maravilhoso ver o Barcelona, Messi, Xavi, Iniesta e Neymar na Palestina. É o meu dia de sorte", disse Fadwa, de 17 anos, de Belém.

Os atuais campeões espanhóis estão realizando uma breve parada pelos territórios de Israel e Palestina antes de seguir viagem rumo a um tour de pré-temporada na Ásia. Eles participarão de um encontro parecido com jovens israelenses em Tel Aviv neste domingo.

Homem-forte do esporte palestino, Jibril Rajoub descreveu a visita do Barcelona como "o episódio mais importante da história do esporte palestino". Os catalães e o rival Real Madrid são os clubes mais populares entre os palestinos.

Em fevereiro, a direção do Barça havia manifestado interesse em realizar uma patida amistosa contra um time misto de jogadores palestinos e israelenses em Tel Aviv, mas os vizinhos do Oriente Médio não chegaram a um acordo sobre os arranjos para realizar o evento.

Em Belém, os jogadores do Barça se encontraram com o presidente palestino Mahmud Abbas, ao passo que neste domingo devem conhecer o presidente israelense Shimon Peres, um dos responsáveis pela visita dos espanhóis, e o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu.

(Reportafem de Nidal al-Mughrabi)