Ministro diz que lei russa antigays não afetará Mundial de Atletismo

quinta-feira, 8 de agosto de 2013 18:21 BRT
 

Por Mitch Phillips

MOSCOU, 8 Ago (Reuters) - A nova lei russa que proíbe a apologia à homossexualidade está atraindo ampla condenação internacional, mas o ministro de Esportes do país e o principal dirigente mundial do atletismo disseram na quinta-feira que não há risco de que isso interfira no Mundial de Atletismo deste mês em Moscou.

O presidente dos EUA, Barack Obama, já criticou a nova lei, e o escritor britânico Stephen Fry comparou o ambiente da Olimpíada de Inverno de Sochi, em 2014, ao clima antissemita que cercou a Olimpíada de Berlim-1936.

"Quero pedir a vocês que se acalmem, pois, além dessa lei, temos uma Constituição que garante uma vida privada a todos os cidadãos", disse o ministro Vitali Mutko em entrevista coletiva.

"Ela não se destina a privar as pessoas de qualquer religião, raça ou orientação sexual, e sim de proibir a promoção de relações não-tradicionais dentro da nova geração."

"Todos os atletas e organizações devem ficar tranquilos, seus direitos serão protegidos (...), mas é claro que é preciso respeitar as leis do país onde se está."

Lamine Diack, presidente da IAAF (Associação Internacional das Federações de Atletismo) também disse considerar "que não há problema nenhum".

"Há uma lei que existe, tem de ser respeitada, estamos aqui para o Mundial e não temos nenhum problema, e não estou nada preocupado", disse o senegalês de 80 anos.