Quênia reconhece problema crescente de doping de atletas

sábado, 10 de agosto de 2013 12:56 BRT
 

Por Drazen Jorgic

Quênia (Reuters) - Com poucos recursos para detectar fraudes, o Quênia vê a educação como a melhor ferramenta na luta contra o doping à medida que encara as drogas para melhoria de desempenho como uma ameaça à sua reputação de celeiro de corredores de primeira categoria.

O país africano suspendeu 14 atletas desde o início do ano passado por doping em meio a uma enxurrada de acusações de que as fraudes são correntes nos campos de treinamento na luxuriante região de Rift Valley.

Enquanto autoridades quenianas sublinham que nenhum dos flagrados era um atleta de ponta, a polêmica lançou uma sombra sobre uma das mais bem sucedidas nações de corredores do mundo em um momento em que o atletismo sofre com escândalos de doping de grande projeção.

Os preparativos para o Campeonato Mundial de Moscou foram eclipsados pelos flagrantes do norte-americano Tyson Ga, dos velocistas jamaicanos Asafa Powell, Veronica Campbell-Brown e Sherone Simpson e vários testes positivos de atletas turcos.

Autoridades do Quênia dizem ser vital deter o doping em suas pistas, para evitar que algum atleta queniano do calibre de Gay ou Powell seja tentado a usar drogas para melhoria de desempenho, algo que temem poder devastar o esporte.

"Temos que arrumar nossa própria casa", disse Kipchoge Keino, lenda do esporte e chefe do Comitê Nacional Olímpico do Quênia, à Reuters em Eldoret, em Rift Valley.

Alegações de que o doping é corriqueiro no Quênia foram veiculadas pela primeira vez pelo canal de TV alemão ARD antes das Olimpíadas do ano passado. As autoridades quenianas ficaram furiosas a princípio, dizendo que o país estava sendo difamado, mas depois de meses de negações e réplicas raivosas, começaram a reconhecer o problema.