Arquibancadas vazias surpreendem atletas no Mundial de Moscou

segunda-feira, 12 de agosto de 2013 11:43 BRT
 

Por Alison Wildey

MOSCOU, 12 Ago (Reuters) - O baixo número de espectadores no estádio Luzhniki, em Moscou, voltou a chamar a atenção dos competidores no terceiro dia do Mundial de Atletismo.

"Está morto, não tem clima", disse o campeão olímpico Félix Sánchez a jornalistas depois de vencer sua série nas eliminatórias dos 400 metros com barreiras. "É como noite e dia em comparação com (a Olimpíada de) Londres no ano passado", disse o dominicano, que ganhou o ouro olímpico diante de 80 mil espectadores empolgados.

Ele disse, no entanto, que a falta de público não atrapalha sua concentração. "Sou um veterano, já estive em quatro Olimpíadas e oito Mundiais, então você aprende a se desligar disso".

Nem mesmo a presença do maior nome do atletismo, Usain Bolt, na final da prova mais balada, os 100 metros rasos, no domingo, foi suficiente para convencer os moscovitas a saírem de casa para irem ao estádio, que tinha apenas dois terços da sua capacidade ocupada.

As sessões matinais, dedicadas a eliminatórias e eventos combinados, são as mais afetadas pelo vazio das arquibancadas.

A principal exceção é uma torcida organizada com centenas de ucranianos vestindo as cores nacionais, azul e amarelo. Seus gritos, no entanto, ecoam pelo estádio e ressaltam o vazio do local.

O Luzhniki, palco da Olimpíada de 1980 e local escolhido para a final da Copa do Mundo de 2018, tem 35 mil lugares, e os ingressos custam a partir de 100 rublos (3,04 dólares). Para a final dos 100 metros, havia lugares disponíveis a partir de 300 rublos.

Os organizadores dizem que os ingressos estão esgotados para o próximo fim de semana, quando acontecem as finais dos quatro revezamentos. Eles afirmam que 80 por cento dos ingressos foram vendidos para as competições como um todo, mas a impressão visual no estádio desmente tal avaliação.

O ex-atleta ucraniano Sergei Bubka, vice-presidente da Iaaf (entidade mundial do atletismo), atribuiu o desinteresse do público ao calor em Moscou. "Estava quente e muito ensolarado, e conheço os moscovitas -- eles sempre vão para suas ‘dachas' (casas de campo), saem de casa, e talvez alguém tenha comprado ingresso e não compareceu."