Gramados de estádios da Copa perdem o verde e preocupam

quarta-feira, 28 de agosto de 2013 12:26 BRT
 

Por Pedro Fonseca

RIO DE JANEIRO, 28 Ago (Reuters) - O gramado visto nos jogos da Copa das Confederações deixou de ser verdinho e sem falhas em algumas arenas, menos de dois meses após o fim da competição, o que virou alvo de preocupação do técnico da seleção brasileira e motivo de alerta para a Copa do Mundo de 2014.

O excesso de partidas, a realização de shows e a colocação da grama em cima da hora por causa de atraso nas obras, entre outras razões, estão por trás das falhas vistas nos campos dos estádios Maracanã, Mané Garrincha (Brasília) e Arena Pernambuco nos jogos realizados por times brasileiros desde o fim da competição preparatória para o Mundial.

O gramado do estádio de Brasília, que já havia recebido críticas pelo estado apresentado no jogo Brasil x Japão, que abriu o torneio de junho, é o que chama mais atenção. Ao vivo na arquibancada ou em imagens transmitidas pela televisão, as falhas espalhadas por todo o campo são gritantes, principalmente dentro das áreas.

"Hoje não está no padrão da Copa do Mundo", reconheceu à Reuters o direto-executivo do Comitê Organizador Local da Copa do Mundo (COL), Ricardo Trade, ao ser questionado sobre a situação do campo do Mané Garrincha.

O problema da grama no estádio mais caro do Mundial, que custou mais de 1,2 bilhão de reais, tem como origem o atraso nas obras da arena. O gramado só tinha 18 dias de plantado quando recebeu seu primeiro jogo, enquanto especialistas afirmam que seriam necessários ao menos 45 dias entre o fim da instalação e o primeiro toque de bola no campo.

Além disso, o gramado não tem recebido descanso desde então. Atraído pelo bom público e pela renda alta --o estádio é o líder desses quesitos no Campeonato Brasileiro-- o Mané Garrincha tornou-se a "casa" do Flamengo e também recebeu partidas de Botafogo, Vasco e Santos.

Na semana passada, o técnico da seleção brasileira, Luiz Felipe Scolari, telefonou ao governador do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), para expressar preocupação com a situação do campo onde o Brasil enfrentará a Austrália num amistoso em 7 de setembro, e pediu uma redução no número de partidas no local.

Felipão expressou no telefonema "preocupação que a partida da seleção brasileira ser realizada num gramado ruim tenha repercussão negativa para o país", a nove meses da Copa do Mundo, de acordo com a assessoria do treinador. No entanto, o estádio está com a agenda cheia.   Continuação...

 
Trabalhador acerta o gramado do Estádio Nacional Mané Garrincha, em Brasília, antes da Copa das Confederações. 06/06/2013 REUTERS/Ueslei Marcelino