Maradona e Romário criticam Conmebol e pedem transparência

quarta-feira, 4 de setembro de 2013 19:38 BRT
 

SÃO PAULO, 4 Set (Reuters) - Os ex-jogadores Diego Maradona e Romário fizeram duras críticas à Conmebol nesta quarta-feira, após reunião em São Paulo para debater supostas irregularidades na entidade que comanda o futebol sul-americano e pedir mais transparência no esporte.

O encontro na sede do Corinthians teve a presença de cerca de 20 clubes sul-americanos e de advogados uruguaios que, segundo os ex-atletas, mostraram que a Conmebol está deixando de repassar verbas para os clubes filiados.

"Temos visto, com muito estupor e com grande tristeza, que o futebol é para poucos. Não é dos clubes, dos torcedores e dos jogadores. Por isso, vamos armar uma comissão para desmascarar essa gente que faz tanto mal ao futebol", disse Maradona, ídolo argentino campeão mundial em 1986.

"Isso é muito grave... mas graças a todos nós que não temos medo desta gente, estamos aqui para que a gente tenha um futebol transparente", completou.

O deputado federal Romário (sem partido-RJ) classificou a Conmebol de corrupta. A entidade trocou de presidente este ano: o uruguaio Eugenio Figueredo substituiu o paraguaio Nicolás Leoz, que passou quase 27 anos no cargo.

"Eu não imaginava que existisse uma instituição mais corrupta do que a Fifa e a CBF. Consegui encontrar. Realmente a coisa é muito pior do que a gente imagina", afirmou Romário em entrevista coletiva.

"O que foi apresentado aqui é uma das maiores vergonhas que eu pude ver. Eu não poderia imaginar que existisse uma instituição tão corrupta, tão desonesta e que fizesse tão mal ao esporte", completou.

Procurado pela Reuters, o porta-voz da Conmebol, Néstor Benítez, evitou comentar profundamente as acusações. "Não temos nenhum comentário (sobre a reunião em São Paulo). Todos têm direito a opinar, o futebol é generoso e abre o campo para todas as opiniões".

O encontro contou também com outros ex-jogadores, como o paraguaio José Luis Chilavert e o brasileiro Careca.   Continuação...

 
Diego Maradona (D) e Romário conversam durante entrevista em São Paulo nesta quarta-feira, quando fizeram críticas à Conmebol. REUTERS/Paulo Whitaker