Istambul, Madri e Tóquio disputam sede da Olimpíada de 2020

sábado, 7 de setembro de 2013 13:33 BRT
 

Por Ossian Shine

BUENOS AIRES, 7 Set (Reuters) - Depois de dois anos de intenso lobby e milhões de dólares gastos, as cidades de Istambul, Madri e Tóquio têm apenas mais algumas horas, neste sábado, para convencer o Comitê Olímpico Internacional a confiar a elas a oportunidade de sediar os Jogos Olímpicos de 2020.

Com cada cidade combatendo seus próprios demônios, a disputa se tornou um concurso do "menos feio", em um momento em que cada candidata tenta minimizar seus problemas para conseguir o direito de sediar o maior evento esportivo do mundo.

Madri continua sufocada pela recessão, Istambul tem o problema do possível ataque à vizinha Síria e os protestos domésticos, já Tóquio tem contra si as dificuldades na usina nuclear de Fukushima, localizada a 230 quilômetros da capital japonesa.

Cada cidade terá 70 minutos para apresentar sua candidatura para os cerca de 100 membros do comitê. Do total, 97 são elegíveis para votar na primeira rodada, que deve começar às 15h45, no horário local de Buenos Aires, que é o mesmo horário de Brasília.

Istambul será a primeira a se apresentar, seguida por Tóquio e Madri, em uma ordem decidida por sorteio há dois anos.

Cada cidade está levando o que tem de melhor. O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, deve representar sua capital, com seu colega turco, Tayyip Erdogan, apoiando Istambul. Para Madri, estará presente o Príncipe Felipe.

Depois das apresentações, os membros do comitê ouvirão um relatório da Comissão de Avaliação, formada por membros da entidade e especialistas olímpicos, antes do início da votação.

Se uma cidade não obtiver a maioria absoluta dos votos, a candidata com menos votos será eliminada, e as duas remanescentes irão para um confronto direto na segunda votação.

Sem uma clara favorita, a decisão pode depender do apelo das apresentações, enquanto cada cidade tenta apagar os seus problemas internos.