Segurança não melhora rápido o bastante em região perto de Olimpíada, diz Putin

segunda-feira, 9 de setembro de 2013 15:32 BRT
 

MOSCOU, 9 Set (Reuters) - O presidente russo, Vladimir Putin, ordenou nesta segunda-feira a agências de inteligência que intensifiquem esforços para melhorar a segurança de um região volátil próxima à sede da Olimpíada de Inverno marcada para o próximo ano, dizendo que a situação não estava melhorando rápido o suficiente.

Putin já havia assinado um decreto impondo restrições à liberdade de trânsito e reunião próximo a Sochi, sede da Olimpíada - uma medida que grupos ativistas dizem violar os direitos humanos.

"Apesar de mudanças positivas evidentes, a situação no Cáucaso do Norte está melhorando muito devagar", disse Putin a seu Conselho de Segurança, um órgão que o assessora sobre questão de segurança e defesa, cinco meses antes do início do evento marcado para fevereiro.

"Ameaças de terrorismo e preocupações com a segurança não foram totalmente erradicadas", acrescentou ele em comentários publicados na página do Kremlin na Internet.

O Kremlin acumulou uma grande infraestrutura de segurança na região ao redor da cidade de veraneio no Mar Negro para prevenir ataques contra os Jogos, realizados por militantes islâmicos envolvidos em episódios de violência quase diários no vizinho Cáucaso do Norte.

Putin pediu ao conselho para "mobilizar todo o aparato de aplicação da lei" para intensificar a segurança.

Enraizada entre duas guerras separatistas na província chechena do Cáucaso do Norte desde a queda da União Soviética, a revolta tem se espalhado pelo Daguestão, que agora concentra os focos de violência.

(Reportagem de Alexei Anishchuk)

 
Presidente russo Vladimir Putin é visto durante início da cúpula do G20, em São Petersburgo, na Rússia. Putin ordenou nesta segunda-feira a agências de inteligência que intensifiquem esforços para melhorar a segurança de um região volátil próxima à sede da Olimpíada de Inverno marcada para o próximo ano, dizendo que a situação não estava melhorando rápido o suficiente. 05/09/2013 REUTERS/Pablo Martinez