Feito de nadadora recordista Diana Nyad enfrenta questionamentos

quinta-feira, 12 de setembro de 2013 14:41 BRT
 

MIAMI, 12 Set (Reuters) - A nadadora de longa distância Diana Nyad concordou em entregar todos os registros e dados oficiais sobre o recorde alcançado por ela ao atravessar a nado entre Cuba e o sul da Flórida, na semana passada, depois que algumas pessoas colocaram em dúvida a extenuante travessia.

"Acho que será mais do que suficiente responder à questão: ‘ela nadou de A para B?'", questionou o chefe do Hall da Fama Internacional da Maratona Aquática, Steven Munatones, cuja entidade tem sede na Califórnia.

Ele acrescentou que alguns nadadores ainda têm "mais perguntas sobre detalhes de como ela nadou de A para B".

Diana, de 64 anos, chegou cambaleando à costa de Key West, na Flórida, em 2 de setembro, depois de ter nadado por cerca de 53 horas, tornando-se a primeira pessoa a completar o percurso de 177 quilômetros sem a proteção de uma gaiola contra tubarões.

Diana obteve sucesso em sua quinta tentativa. O feito altamente divulgado desencadeou um debate nas mídias sociais sobre se a travessia preencheu os requisitos para a quebra do recorde mundial.

"Eu nadei... de um modo ético, limpo", disse Diana em entrevista à imprensa na noite de quarta-feira, tendo ao lado uma dezena de nadadores de maratona aquática, alguns dos quais haviam questionado publicamente aspectos do seu feito.

"Eu honrei as normas", afirmou Diana.

Evan Morrison, um nadador de maratonas e analista de dados, residente em San Francisco, que estava na entrevista, disse que "muitas das grandes questões foram respondidas".

A maratona aquática foi incorporado aos Jogos Olímpicos em 2008, mas não tem uma federação internacional própria, por isso "o consenso da comunidade" de nadadores é fato-chave, explicou Morrison. Não está claro quando ou como a questão será decidida.

(Reportagem adicional de Chris Francescani)