Acusações de abusos contra operários da Copa 2022 estão em exame, diz Catar

sexta-feira, 27 de setembro de 2013 10:05 BRT
 

DOHA, 26 Set (Reuters) - As autoridades do Catar estão investigando acusações publicadas no jornal Guardian de que dezenas de imigrantes nepaleses morreram nas últimas semanas no país, informou nesta quinta-feira o comitê que administra os preparativos para a Copa do Mundo de 2022.

Segundo a reportagem do Guardian, publicada na quarta-feira, milhares de trabalhadores nepaleses enfrentam condições abusivas de trabalho no Catar, que se prepara para sediar a Copa do Mundo de 2022.

O Comitê Supremo Catar 2022 afirmou num comunicado ter sido informado de que o governo está investigando as acusações.

"Como todo mundo que viu o vídeo e fotos, e que leu os textos que os acompanhavam, nós estamos chocados com as descobertas relatadas na reportagem do Guardian", disse o comitê.

"Saúde, segurança, bem-estar e dignidade de todo trabalhador que contribui para a realização da Copa do Mundo da Fifa 2022 é da maior importância para nosso comitê."

Há três anos o Catar foi escolhido para realizar a Copa, numa decisão surpreendente. O pequeno Estado do Golfo Pérsico está agora numa corrida contra o tempo para completar uma grande quantidade de obras de infraestrutura, de modo que possa sediar o maior evento esportivo do mundo, depois dos Jogos Olímpicos.

A Fifa informou estar preocupada com os relatos da mídia sobre violações de direitos dos trabalhadores e as condições em que vivem nos projetos no canteiro de obras de Lusail City.

"A Fifa vai novamente entrar em contato com as autoridades do Catar e a questão também será discutida na reunião do comitê-executivo sobre a Copa de 2022, em 3 e 4 de outubro de 2013, em Zurique", diz o texto.

O comitê Catar 2022 afirmou estar trabalhando com as entidades Human Rights Watch e Anistia Internacional, bem como vários ministros, para resolver questões sobre o trabalho dos imigrantes.

(Reportagem de Amena Bakr e Brian Homewood)