Fifa aprofunda investigação sobre sedes das Copas de 2018 e 2022

quinta-feira, 3 de outubro de 2013 12:49 BRT
 

Por Mike Collett

LONDRES, 1 Out (Reuters) - O chefe da área de investigação da Fifa está aprofundando a análise dos polêmicos procedimentos de votação que escolherem as sedes da Copa do Mundo de 2018 e 2022.

Michael Garcia, um ex-advogado de Nova York e chefe da unidade de investigação do comitê de ética da Fifa, visitará cada país diretamente envolvido na votação dos Mundiais, que serão sediados na Rússia, em 2018, e no Catar, em 2022.

O procedimento de votação para 2022 foi alvo de acusações generalizadas de corrupção ou violação das regras. Nesta semana a Fifa irá estudar se muda a data do torneio para evitar o calor do verão no Catar.

"Realizarei entrevistas em vários locais, e espero que aqueles que têm alguma informação, mesmo que não estejam obrigados a fornecê-la a mim, concordem em conversar comigo", disse Garcia à revista semanal France Football, nesta terça-feira.

"Meu objetivo é submeter um relatório que cubra a campanha para a Copa do Mundo e o processo de escolha", acrescentou.

Uma fonte próxima do processo de escolha das sedes disse à Reuters que "é amplamente sabido nos círculos da Fifa o que aconteceu no que diz respeito ao Catar".

"Houve uma interferência política inquestionável, o que é expressamente proibido pela Fifa, e votos prometidos a um país foram transferidos para o Catar mais tarde".

"As regras foram ignoradas e agora a Fifa tem um grande problema para resolver", acrescentou a fonte, falando sob condição de anonimato.   Continuação...

 
Pessoas observam troféu da Copa Mundial da Fifa no aeroporto de Juan Santamria, na Costa Rica. O chefe da área de investigação da Fifa está aprofundando a análise dos polêmicos procedimentos de votação que escolherem as sedes da Copa do Mundo de 2018 e 2022. 27/09/2013 REUTERS/Juan Carlos Ulate