Sindicalistas protestam na Fifa em favor de operários no Catar

quinta-feira, 3 de outubro de 2013 20:01 BRT
 

Por Brian Homewood

ZURIQUE (Reuters) - Sindicalistas mostraram um cartão vermelho simbólico para a Fifa nesta quinta-feira enquanto protestavam diante do quartel-general do organismo regulador do esporte a propósito dos direitos trabalhistas no Catar, nação que sediará a Copa do Mundo de 2022.

Cerca de 100 manifestantes dos Trabalhadores de Construção e Carpintaria (BWI, na sigla em inglês) e do sindicato suíço Unia se reuniram diante dos portões acenando com cartões vermelhos enquanto o comitê-executivo da Fifa iniciava uma reunião de dois dias para discutir o torneio.

A Fifa irá debater se, em princípio, deveria alterar a data do evento de junho-julho, período do escaldante verão no Catar, assim como a situação dos funcionários migrantes que trabalharão nas construções para a Copa do Mundo.

Na semana passada, o jornal britânico Guardian relatou que dúzias de nepaleses morreram em locais de construção no Catar durante o verão.

Enquanto isso, a Confederação Internacional de Sindicatos (Ituc na sigla em inglês) disse que as cifras de mortalidade atuais de operários de Nepal e Índia, que perfazem a maioria do 1,2 milhão de trabalhadores migrantes no país, mostram que a cada ano morrem em média 400 operários.

"Estas pessoas que trabalham nas obras não têm nada, elas sofrem", disse Marion Hellmann, secretária-geral da BWI, aos repórteres.

"Ainda há muito tempo para mudar. Queremos uma abolição do sistema de patrocínio, por exemplo, no qual as pessoas estão presas a seu empregador, seu passaporte fica retido e não podem escapar", disse.

"Queremos inspetores laborais no local para visitar as obras e fazer inspeções. Queremos um comprometimento muito claro do governo (do Catar) e da Fifa", acrescentou.   Continuação...