Cristiano Ronaldo faz apelo por torcedor acusado de invadir campo em Miami

sábado, 5 de outubro de 2013 15:01 BRT
 

MIAMI, 4 Out (Reuters) - O jogador português Cristiano Ronaldo, astro do Real Madrid, fez um apelo às autoridades da Flórida para que retirem as acusações contra um torcedor exageradamente exaltado detido durante uma partida de futebol, depois de invadir o campo para abraçá-lo.

Ronaldo, um dos atletas mais bem pagos do mundo, se comportou calmamente durante o incidente em Miami, em agosto, até mesmo conversou com o fã de 19 anos e pediu aos seguranças que pegassem leve com ele, antes de o jovem ser retirado do local.

O jogador está pedindo agora à promotoria que não leve adiante as acusações contra Ronald Gjoka, estudante canadense, que foi indiciado por dois delitos - comportamento desordeiro e invasão de propriedade - em razão do incidente diante de 70 mil torcedores durante uma partida entre o Real Madrid e o Chelsea pela International Champions Cup, em Miami.

"Eu estava jogando no Sun Life Stadium no mês passado quando um torcedor entrou no campo", escreveu Ronaldo, em carta assinada enviada ao promotor e divulgada pela primeira vez pelo jornal The Miami Herald.

"Nós nos abraçamos e conversamos um pouco, até que a segurança chegou para escoltá-lo para fora do campo. Ele não foi agressivo ou violento de jeito NENHUM", prosseguiu Cristiano, que depois expôs seu temor de que Gjoka possa enfrentar problemas com a imigração se as acusações de contravenção não forem arquivadas.

"Eu compreendo sua posição e a importância do cumprimento das normas e leis. No entanto, eu respeitosamente solicito que o senhor e a sua repartição reconsiderem a decisão e retirem as duas acusações criminais que este jovem enfrenta", acrescentou.

Gjoka, que estuda num colégio em Palm Beach, passou a noite e a maior parte do dia seguinte numa cela.

A carta foi enviada pelo advogado de Cristiano em Portugal, depois que o advogado de Gjoka, Richard Hujber, de Boynton Beach, o contatou algumas semanas depois do incidente.

(Reportagem de David Adams)