Agência Mundial Antidoping planeja visita especial à Jamaica

segunda-feira, 14 de outubro de 2013 20:56 BRT
 

Por Gene Cherry

14 Out (Reuters) - A Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês) está planejando uma visita especial à Jamaica no próximo ano, após preocupações sobre os programas antidoping da ilha do Caribe.

"A Wada aceitou um convite do primeiro-ministro da Jamaica para visitar e inspecionar a Jadco (comissão antidoping da Jamaica)", disse a Wada em comunicado à Reuters nesta segunda-feira .

A visita se segue a comentários da ex-diretora da Jadco Renee Anne Shirley de que houve uma diferença significativa em testes fora de competição realizados pela entidade nos meses anteriores aos Jogos Olímpicos de Londres em 2012, nos quais os velocistas jamaicanos foram protagonistas.

Mais tarde nesta segunda-feira, fontes antidoping jamaicanas disseram à Reuters que o atleta olímpico jamaicano de taekwondo Kenneth Edwards foi testado positivo para um diurético proibido durante um teste fora de competição realizado pela Jadco.

Edwards, 27 anos, que ganhou a medalha de bronze na disputa de pesos pesados nos Jogos da América Central e Caribe em 2010, é o oitavo jamaicano a testar positivo para uma substância proibida neste ano.

O ex-recordista mundial dos 100 metros Asafa Powell, a bicampeã olímpica dos 200 metros Veronica Campbell-Brown e a medalhista de prata no revezamento 4x100 em Londres Sherone Simpson testaram positivo para substâncias proibidas recentemente.

A Wada esperava fazer a inspeção neste ano, mas "teve a infelicidade de saber que a Jadco não pode acomodar esta visita até 2014", disse a agência antidoping.

O presidente da Jadco, Herb Elliott, não quis comentar sobre a visita.

A Associação Internacional das Federações de Atletismo (Iaaf) disse que não estar preocupada com a visita da Wada ou com os testes em atletas jamaicanos, incluindo o seis vezes campeão olímpico e recordista mundial Usain Bolt, que nunca falhou num teste de doping.

"Está claro que os testes de atletas jamaicanos antes de Londres foram extensos e minuciosos - e continuam a ser assim hoje", disse o porta-voz da Iaaf Chris Turner em um email à Reuters.