Sindicato de jogadores critica Uefa por ofensas a Touré

quinta-feira, 24 de outubro de 2013 18:43 BRST
 

LIUBLIANA, 24 Out (Reuters) - O sindicato mundial de jogadores profissionais criticou na quinta-feira a entidade máxima do futebol europeu por não cumprir suas próprias regras a respeito do racismo, depois de ofensas dirigidas a Yaya Touré, do Manchester City, no jogo da véspera contra o CSKA, em Moscou, pela Liga dos Campeões.

O sindicato FIFPro disse que os delegados da Uefa deveriam ter agido depois dos xingamentos contra Touré.

"Estamos muito desapontados de que um protocolo claramente definido, concebido para lidar com essas situações, não tenha sido implementado", disse Bobby Barnes, dirigente do FIFPro na Europa.

Diretrizes emitidas em 2009 pela Uefa determinam que os delegados têm o poder de interromper um jogo em caso de incidentes sérios, após uma advertência aos torcedores pelos alto-falantes e de uma paralisação temporária.

Barnes disse que a Uefa adotou essa regra para impedir que os jogadores boicotem as partidas por conta própria. "Essas diretrizes foram adotadas porque os jogadores estavam sentindo que, se isso não parasse, eles dariam o passo de irem embora", afirmou Barnes à Reuters durante uma assembleia geral da entidade.

"É muito difícil para nós, como uma associação de jogadores, dizer aos jogadores para não assumirem a questão com suas próprias mãos se os procedimentos não estão sendo cumpridos."

(Reportagem de Brian Homewood)