Comentários de Blatter sobre Cristiano Ronaldo provocam resposta irritada

quarta-feira, 30 de outubro de 2013 13:35 BRST
 

Por Iain Rogers

MADRI, 29 Out (Reuters) - Cristiano Ronaldo, a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e o Real Madrid responderam com irritação aos comentários do presidente da Fifa, Joseph Blatter, que pareceram zombar do Real e do atacante português.

Blatter, que foi forçado pela reação a pedir desculpas enquanto insistiu que não cometeu nenhum desrespeito, foi perguntado na universidade de Oxford, na Inglaterra, na sexta-feira a respeito de sua opinião sobre Ronaldo e o melhor jogador do mundo Lionel Messi, do Barcelona.

O suíço de 77 anos disse que ambos eram atletas excepcionais, mas acrescentou que, ao contrário de Messi, Ronaldo parecia "um comandante no campo de jogo".

Ele então se levantou da cadeira e desfilou no palco em estilo militar numa aparente imitação do português.

"Um (Ronaldo) tem mais despesas com o cabeleireiro do que o outro, mas isso não importa", afirmou ele, provocando riso generalizado. "Eu não posso dizer quem é o melhor, mais uma vez haverá uma competição este ano - eu gosto dos dois, mas prefiro o Messi."

Ronaldo, que foi o último jogador a conseguir o prêmio de melhor do ano, em 2008, antes de o argentino Messi ganhar quatro na sequência, postou um link para um vídeo dos comentários de Blatter e uma resposta muito irônica em sua página no Facebook nesta terça-feira.

"Este vídeo mostra claramente o respeito e a consideração que a Fifa tem por mim, pelo meu clube e meu país", escreveu Ronaldo.

"Muita coisa está explicada agora. Desejo ao sr. Blatter saúde e uma longa vida, com a certeza de que ele vai continuar testemunhando, como merece, os sucessos de seus times e jogadores favoritos", acrescentou.   Continuação...

 
Presidente da FIFA, Joseph Blatter, fala durante entrevista coletiva em Havana, Cuba. Cristiano Ronaldo, a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) e o Real Madrid responderam com irritação aos comentários de Blatter, que pareceram zombar do Real e do atacante português. 17/4/2013. REUTERS/Enrique De La Osa