ONU pede "inclusão social" na Rússia durante Olimpíada de Inverno

quarta-feira, 6 de novembro de 2013 20:39 BRST
 

Por Michelle Nichols

NAÇÕES UNIDAS, 6 Nov (Reuters) - A Assembleia-Geral da ONU propôs na quarta-feira uma trégua internacional durante a Olimpíada de Inverno de 2014 na Rússia, e pediu a Moscou que "promova a inclusão social sem discriminação", em meio à forte reação contra uma lei do país que proíbe a "apologia" da homossexualidade.

Por consenso, os 193 países aprovaram uma resolução que propõe a paralisação dos conflitos no mundo num período entre sete dias antes do início dos Jogos de Sochi, em fevereiro, até sete dias depois do encerramento da Paraolimpíada de Inverno, em março.

Pela primeira vez, segundo os Estados Unidos, a resolução - adotada regularmente pela Assembleia-Geral há 20 anos - pede "aos países anfitriões que promovam a inclusão social sem qualquer tipo de discriminação."

A Rússia atraiu reações indignadas e até propostas de boicote à Olimpíada de Sochi ao colocar em vigor, em junho, a lei que proíbe a "apologia" da homossexualidade para menores. Críticos apontaram a lei como um instrumento discriminatório.

"O esporte abraça todos os segmentos da sociedade, e é instrumental em capacitar as pessoas de origens diversas, ao mesmo tempo em que promove a tolerância e o respeito por todas as pessoas, independentemente da sua aparência, origem, local de culto ou a quem elas amam", disse a delegada norte-americana Elizabeth Cousens à ONU.

Dmitry Chernyshenko, chefe do comitê organizador da Olimpíada de Inverno, disse que todos serão bem vindos nos Jogos do balneário russo.

"Durante os Jogos garantimos que não haverá discriminação nenhuma, seja por (motivos) religiosos, sexuais ou de gênero", disse ele a jornalistas na ONU. "O presidente do país (Vladimir Putin) repetiu três vezes que não haverá discriminação."