Fifa alerta sobre possibilidade de mais protestos na Copa do Mundo

terça-feira, 12 de novembro de 2013 15:45 BRST
 

Por Mark Gleeson

JOHANESBURGO, 12 Nov (Reuters) - A Copa do Mundo de 2014 pode ser alvo de mais protestos no Brasil, mas a Fifa não deve ser responsabilizada ou tornar-se bode expiatório, disse o secretário-geral da federação, Jérôme Valcke, nesta terça-feira.

A grande presença da imprensa internacional na Copa do Mundo representa "uma plataforma fácil para expressar preocupações e organizar manifestações", disse Valcke.

"Acho que é muito fácil colocar a culpa pelo que aconteceu nas ruas do Brasil em junho na Fifa ou na Copa do Mundo, dizendo: 'Por que estão gastando tanto dinheiro com um torneio de futebol e não gastam em outras coisas?'", acrescentou.

A Copa das Confederações, evento-teste do Mundial realizado em junho em seis cidades brasileiras, foi marcada por manifestações, que pegaram de surpresa tanto o governo brasileiro como os organizadores.

Os protestos, que chegaram a atrair mais de um milhão de manifestantes em várias cidades, usaram o torneio para reivindicar melhorias nos setores sociais, entre outras demandas.

Muitos brasileiros estão indignados que o país está gastando cerca de 14 bilhões de dólares em projetos relacionados à Copa enquanto escolas, hospitais, estradas e segurança pública estão precisando de investimento.

Seis mortes foram relatadas durante protestos na Copa das Confederações, incluindo quatro pessoas que foram atropeladas por veículos, uma que morreu em queda de um viaduto e outra por inalar gás lacrimogêneo.

"É verdade que a Copa das Confederações, como será possivelmente o caso da Copa do Mundo do ano que vem, é a plataforma perfeita para manifestações. Haverá milhares de jornalistas cobrindo a Copa do Mundo", disse Valcke a repórteres após reunião na África do Sul, país-sede da Copa do Mundo de 2010.   Continuação...