Antidoping da Copa será feito na Suíça após descredenciamento de laboratório

terça-feira, 12 de novembro de 2013 20:15 BRST
 

SÃO PAULO, 12 Nov (Reuters) - Os exames antidoping da Copa do Mundo de 2014 vão acontecer em Lausanne, na Suíça, depois que a Agência Mundial Antidoping (Wada) revogou o credenciamento do laboratório Ladetec, único credenciado no Brasil para realizar estes exames, informou a Fifa nesta terça-feira.

Como o Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem, ligado à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), não vai conseguir o recredenciamento a tempo do Mundial, que começa em 12 de junho, a Fifa disse que decidiu usar o laboratório suíço após discussões com a Wada e autoridades brasileiras.

"A Fifa não tem outra opção a não ser manipular as análises de amostras no exterior", afirmou a entidade que controla o futebol mundial em comunicado.

O laboratório LAD, em Lausanne, já tinha feito o perfil biológico dos atletas na Copa das Confederações, em junho deste ano.

"Para a Copa do Mundo do próximo ano, a Fifa e a Wada garantirão a melhor análise possível de amostras de urina e sangue e a implementação apropriada da nova estratégia na luta contra o doping", disse a Fifa, acrescentando que está agora preparando a parte logística para o envio das amostras.

O Ladetec teve o credenciamento revogado pela Wada no final de agosto por não cumprir com as normas internacionais e tenta o recredenciamento.

A expectativa do Ministério do Esporte é que o Ladetec esteja recredenciado e autorizado a fazer exames antidoping no segundo semestre de 2015, a tempo dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016.

"O controle de dopagem na Copa do Mundo é de responsabilidade da Fifa e será providenciado pela entidade. Para os Jogos Olímpicos e Paraolímpicos Rio 2016, o governo federal está tomando todas as providências que são de sua responsabilidade para retomar a acreditação", disse o ministério por email à Reuters.

Entre as medidas em andamento estão a construção de um novo prédio, mais amplo e moderno, a contratação de mais técnicos e outros profissionais especializados e a compra de novos equipamentos, segundo a pasta.

(Reportagem de Tatiana Ramil)