Chefe do COI diz que são necessários métodos antidoping "mais efetivos"

quarta-feira, 13 de novembro de 2013 11:55 BRST
 

Por Mark Gleeson

JOHANESBURGO, 13 Nov (Reuters) - Novos métodos de testes são necessários para reforçar a luta contra o doping no esporte, disse o presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, nesta quarta-feira, ao comparar o uso de substâncias proibidas com o terrorismo.

"Precisamos de testes mais específicos e mais pesquisa científica. Temos que nos concentrar em mais pesquisas antidoping", disse Bach na abertura da Conferência Mundial de Doping no Esporte.

"Nesta área, nós devemos estar abertos a novas formas de pensamento. Não está na hora de descobrir, por exemplo, se os testes de sangue e urina são realmente os melhores e a solução mais atual? Deve haver outros métodos que são ainda mais confiáveis, sustentáveis e efetivos, e talvez menos intrusivos", acrescentou.

"Mesmo um código muito melhorado não é suficiente sozinho", disse Bach a cerca de 1.000 delegados que participam das discussões para a definição de um novo Código Mundial Antidoping, na sexta-feira.

Bach disse que as preocupações sobre custos não devem impedir mais investimentos no combate ao doping.

"Nós não devemos discutir que um teste positivo custa centenas de milhares de dólares", disse o novo presidente do COI.

"Isso seria como dizer que um ataque terrorista em um aeroporto custa tantos milhões de dólares, porque a luta contra o doping é como as medidas de segurança e também sobre medidas de dissuasão e prevenção. Nossas medidas de segurança e nossos testes devem ser ainda mais melhorados."

Bach disse que o COI vai gastar mais de 1 milhão de dólares em testes antidoping pré-competição antes dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2014 em Sochi, e "muitos milhões de dólares a mais" durante os Jogos.

 
Presidente do Comitê Olímpico Internacional (COI), Thomas Bach, gesticula ao ser eleito como o novo presidente do COI, em Buenos Aires. Novos métodos de testes são necessários para reforçar a luta contra o doping no esporte, disse Bach nesta quarta-feira, ao comparar o uso de substâncias proibidas com o terrorismo. 10/09/2013. REUTERS/Enrique Marcarian