Ecclestone indica chefe da Red Bull como sucessor ideal na F1

sexta-feira, 22 de novembro de 2013 12:55 BRST
 

LONDRES, 22 Nov (Reuters) - O chefe da Fórmula 1, Bernie Ecclestone, apontou o chefe da equipe Red Bull, Christian Horner, como o homem que deseja para sucedê-lo quando ele finalmente deixar o controle do esporte.

Ecclestone, que transformou a Fórmula 1 em uma máquina de girar dinheiro ao longo das últimas quatro décadas, sempre se negou a falar sobre aposentadoria, mas agora, aos 83 anos, enfrenta desafios judiciais devido a um negócio fechado em 2005.

"Christian seria ideal", disse Ecclestone a repórteres no Grande Prêmio do Brasil, em São Paulo. Os comentários foram publicados em jornais britânicos nesta sexta-feira.

"Eu ficaria feliz em auxiliá-lo. Poderíamos ter um período de transição. É preciso alguém que conheça o esporte."

A empresa de private equity CVC, maior acionista da Fórmula 1, negou fazer comentários sobre a reportagem.

O co-chairman da CVC Donald Mackenzie disse à Corte Suprema de Londres nesta semana que seria difícil achar um sucessor para Ecclestone e que a CVC não tinha ninguém específico em mente.

Mackenzie disse que a CVC iria retirar Ecclestone do cargo caso ele seja julgado culpado de desvios de conduta nas negociações com um banqueiro alemão já condenado.

Horner, de 40 anos, é britânico como Ecclestone e ambos se dão bem. A equipe de Horner, apoiada pela empresa austríaca de refrigerantes Red Bull, tem dominado a Fórmula 1 pelas últimas quatro temporadas, com o piloto campeão Sebastian Vettel.

Ecclestone disse que ele não favoreceria a entrega de sua função a alguém de fora da Fórmula 1. "Caso venha alguém de fora, um tipo corporativo, não acho que eu possa trabalhar com ele. Não iria durar cinco minutos", disse.

A mídia britânica tem especulado que Justin King, chefe-executivo do grupo de supermercados J.Sainsbury, e o chefe-executivo da Liga Inglesa, Richard Scudamore, como possíveis candidatos externos à vaga.

(Reportagem de Keith Weir)