No sorteio, torcida para fugir do "grupo da morte" e das viagens longas

terça-feira, 3 de dezembro de 2013 16:17 BRST
 

Por Pedro Fonseca

RIO DE JANEIRO, 3 Dez (Reuters) - Torcedores dos 31 países que virão ao Brasil para a Copa do Mundo devem cruzar os dedos no sorteio das chaves do Mundial para evitar o "grupo da morte", mas também as longas distâncias, de olho no custo da peregrinação para acompanhar suas seleções em viagens pelo imenso Brasil.

Com a conclusão das eliminatórias por todo o mundo, o sorteio do dia 6 de dezembro, na Costa do Sauípe (BA), definirá os quatro integrantes das oitos chaves do Mundial, e vai também desenhar o caminho que cada time terá pela frente em busca da sonhada final no Maracanã.

Por enquanto só o Brasil, pré-classificado como país-sede, já sabe onde jogará na primeira fase (São Paulo, Fortaleza e Brasília). Outras seleções aguardam para saber se terão de viajar de Curitiba a Manaus ou de Cuiabá a Porto Alegre.

Apesar da dimensão continental do país, a tabela do Mundial não dividiu os grupos por regiões, com o objetivo de levar as seleções às diferentes cidades-sedes. No entanto, a estratégia resultou em viagens bem mais longas do que no último Mundial, na África do Sul.

A dificuldade será ainda maior para os torcedores que, ao contrário das seleções, não têm direito a voos fretados e dependerão da malha aérea nacional, com preços inflacionados durante o Mundial.

Supondo, por exemplo, que a França seja sorteada como adversária do Brasil no Grupo A, ocupando a posição A2, um torcedor que embarcar em Paris para assistir aos três jogos do time na primeira fase e retornar em seguida à capital francesa terá que enfrentar quase 40 horas de avião, passando por São Paulo, Manaus e Recife. Sem contar a espera na fila da imigração, do embarque, da esteira da bagagem e do táxi.

Apenas para o trecho nacional, são quase 15 horas de voo, com duas escalas, ao custo de 3.400 reais (em valores desta semana), quase 2.000 reais mais caro do que a mesma viagem em março de 2014.

O time que for sorteado na posição E4 jogará em Curitiba no dia 20 de junho e apenas cinco dias depois encerra a participação na primeira fase em Manaus. Um torcedor que quiser acompanhar a equipe no trajeto, teria de encarar seis horas de viagem, com uma escala, pagando no mínimo 1.000 reais só de ida, de acordo com a disponibilidade da malha atual. A mesma viagem três meses antes da Copa sairia por 610 reais.   Continuação...

 
Passageiro checa seu voo no aeroporto Galeão, no Rio de Janeiro, em 22 de novembro. Durante a Copa do Mundo, torcedores de vários países vão viajar pelo Brasil para assistir aos jogos. REUTERS/Ricardo Moraes