Justiça libera obra na Arena da Amazônia após mortes

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013 20:02 BRST
 

SÃO PAULO, 18 Dez (Reuters) - A Justiça do Trabalho liberou nesta quarta-feira as obras na Arena da Amazônia, que estavam parcialmente interditadas desde domingo, depois da morte de dois operários, um deles em decorrência da queda da cobertura do estádio de Manaus para a Copa do Mundo de 2014.

A decisão de liberar a obra atendeu parecer da perícia judicial, que atestou o cumprimento das recomendações de segurança do trabalho por parte da construtora Andrade Gutierrez, informou a Unidade Gestora do Projeto Copa (UGP) em Manaus em comunicado.

"A partir da agora, nós vamos discutir com a Andrade Gutierrez para refazer o cronograma, reprogramar o que falta ser feito, para então determinarmos novos prazos de entrega", afirmou o coordenador da UGP Copa, Miguel Capobiango Neto.

A Justiça trabalhista tinha determinado a interdição de todos os setores da obra que envolvem atividades em altura um dia após Marcleudo de Melo Ferreira cair de uma altura de 35 metros. No mesmo dia, outro operário morreu em um centro de convenções ao lado da Arena da Amazônia, que será utilizado para reuniões durante a Copa do Mundo. Familiares de José Antônio da Silva Nascimento disseram que ele sofreu um ataque cardíaco devido ao trabalho intenso.

A juíza do Trabalho Margarete Dantas Pereira Duque liberou as obras considerando que a empresa adotou as providências corretivas apontadas pelo perito judicial, mas determinou que os trabalhos na cobertura sejam suspensos durante o período noturno.

A perícia no estádio, que vai receber quatro jogos do Mundial, todos da primeira fase, começou na segunda-feira e se estendeu até esta manhã.

"Com a retomada das obras, todas as frentes de trabalho voltam às atividades e os dois mil trabalhadores retornam às suas funções", disse a UGP.

O estádio, que está 93 por cento concluído -- segundo balanço da construtora responsável -- tinha prazo de conclusão para este mês, assim como os outros cinco que ainda estão em obras para o Mundial. No entanto, todas as arenas em construção tiveram o prazo de conclusão esticado para ao menos janeiro de 2014.

Operários também morreram em obras de arenas da Copa em Brasília e São Paulo, onde dois trabalhadores morreram em 27 de novembro quando um guindaste desabou sobre parte do estádio que vai receber o jogo de abertura do Mundial, em 12 de junho.

(Reportagem de Tatiana Ramil)