Ron Dennis volta ao comando da McLaren na Fórmula 1

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014 18:10 BRST
 

Por Alan Baldwin

LONDRES, 16 Jan (Reuters) - O futuro de Martin Whitmarsh como chefe de equipe da McLaren na Fórmula 1 foi colocado em dúvida nesta quinta-feira com o anúncio de que seu antecessor Ron Dennis tomará seu lugar como presidente-executivo da equipe.

Num movimento que alguns classificaram como um golpe interno, a McLaren disse em comunicado que Dennis, de 66 anos, retoma, efetivamente, o controle geral sobre a equipe que ele dirigiu entre 1982 e 2009.

O britânico vai acumular a função de Whitmarsh como presidente-executivo do grupo com seu cargo de chairman e chefe da divisão de carros esportivos da McLaren.

Dennis, que esteve à frente da equipe em alguns de seus momentos mais vitoriosos com campeões como Ayrton Senna e Alain Prost, deixou seu cargo de presidente-executivo em 2012, mas criticou cada vez mais o fraco desempenho da equipe nas pistas.

O último campeonato conquistado por um piloto da McLaren foi em 2008, com Lewis Hamilton, e a equipe não conquista um Mundial de Construtores desde 1998.

A temporada passada foi ruim para a McLaren, que não conseguiu sequer chegar ao pódio pela primeira vez desde 1980. A quarta posição conseguida por Jenson Button no Grande Prêmio do Brasil, última prova da temporada, foi o melhor resultado obtido pela equipe.

A McLaren será equipada com motores Mercedes neste ano, mas voltará a usar motores Honda em 2015 na esperança de voltar aos seus anos de glórias.

No mês passado surgiram especulações de que Dennis, que tem 25 por cento de participação na McLaren, queria retomar o controle da equipe e substituir Whitmarsh como chefe da escuderia.

Também surgiram rumores de que Ross Brawn, ex-chefe da Honda e da Mercedes que deixou a última no fim do ano passado, poderia ir para a McLaren.

Brawn conquistou em 2009 o Campeonato Mundial com Jenson Button, quando era dono de sua então Brawn GP. A equipe surgiu das cinzas da equipe Honda, que no fim de 2008 decidiu abandonar a categoria, e deu origem à atual Mercedes.