EUA estudam plano de resgate para o caso de crise nas Olimpíadas de Sochi

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014 13:53 BRST
 

WASHINGTON, 19 Jan (Reuters) - Diante das preocupações sobre a possibilidade de atentados extremistas durante os Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi, na Rússia, autoridades militares e de inteligência dos Estados Unidos têm estudado planos para o caso de terem de retirar norte-americanos dos Jogos.

Mas elas concluíram que haveria grandes obstáculos para montar um esforço amplo para a retirada dos norte-americanos de Sochi, disse uma fonte familiar com os debates no governo Barack Obama.

O principal obstáculo discutido é a relutância histórica das autoridades russas em permitir forças militares estrangeiras, principalmente dos EUA, em seu território.

Autoridades norte-americanas dizem que a Rússia tem de forma inquestionável a responsabilidade de proteger a todos, incluindo os norte-americanos, nos Jogos que começam no dia 7 de fevereiro.

"Não importa o que aconteça", os russos "não vão receber de braços abertos" nenhuma intervenção de fora, mesmo numa situação em que os estrangeiros buscassem somente resgatar os seus cidadãos, afirmou a fonte.

(Reportagem por Susan Cornwell e Mark Hosenball)

 
Membros das forças especiais russas montam guarda durante uma operação contra suspeitos de serem militantes em Makhachkala. Diante das preocupações sobre a possibilidade de atentados extremistas durante os Jogos Olímpicos de Inverno de Sochi, na Rússia, autoridades militares e de inteligência dos Estados Unidos têm estudado planos para o caso de terem de retirar norte-americanos dos Jogos. 20/01/2014 REUTERS/Stringer