January 24, 2014 / 1:23 PM / 3 years ago

ANÁLISE-Fifa paga o preço por ignorar sinais de perigo no Brasil

5 Min, DE LEITURA

A Arena da Baixada, sendo reformada para a Copa do Mundo de 2014 em Curitiba. A Fifa tem se esforçado para esconder a irritação com os problemas nos preparativos do Brasil para a Copa do Mundo deste ano, mas a entidade que comanda o futebol mundial não pode dizer que não foi alertada. 21/01/2014Rodolfo Buhrer

Por Brian Homewood

ZURIQUE, 24 Jan (Reuters) - A Fifa tem se esforçado para esconder a irritação com os problemas nos preparativos do Brasil para a Copa do Mundo deste ano, mas a entidade que comanda o futebol mundial não pode dizer que não foi alertada.

Os sinais de perigo eram claros desde 2007, quando o Rio de Janeiro sofreu para organizar os Jogos Pan-Americanos.

Estouros de orçamentos, uma expansão do metrô que nunca aconteceu, atrasos e problemas constantes na construção dos locais de competição --muitos dos quais finalizados no último minuto--, deveriam fazer soar o alarme em Zurique.

Mesmo assim, apenas três meses depois, o único candidato a sediar a Copa de 2014, sob o então sistema da Fifa de rotação do torneio pelos continentes, levou a competição sem oposição.

Temas como a obsoleta infraestrutura brasileira, problemas sociais e a violência foram colocados de lado, em meio aos elogios feitos ao Brasil pelas conquistas dentro de campo.

Nos seis anos e meio que se passaram, aconteceu com a Copa do Mundo muito do que ocorreu com o Pan.

Sem poder fazer muito, a Fifa assiste aos organizadores brasileiros não cumprirem prazos, ignorarem os orçamentos iniciais e engavetarem projetos de infraestrutura que representariam um legado da Copa.

Num exemplo recente, a Fifa alertou em maio passado que todos os 12 estádios da Copa do Mundo deveriam estar prontos no fim de 2013 e que atrasos não seriam tolerados. Seis estádios não cumpriram o prazo, e mesmo assim a Fifa nada fez.

Recursos públicos

O tempo tem sido particularmente cruel com o relatório de inspeção no qual a entidade baseou sua decisão de entregar a Copa do Mundo de 2014 ao Brasil.

"O modelo brasileiro para a Copa do Mundo é dar prioridade ao financiamento privado na construção e nas reformas dos estádios por intermédio de concessões de longo prazo e parcerias público-privadas", afirmaram na época os inspetores da Fifa.

"O objetivo é construir estádios modernos que sigam os requisitos da Fifa, enquanto os recursos públicos são usados em infraestrutura básica, principalmente segurança, aeroportos, estradas e hospitais."

Em vez disso, recursos públicos foram usados para construir estádios, diretamente ou por meio de isenções e empréstimos subsidiados, e muito da infraestrutura prometida não foi viabilizada.

O transporte aéreo tem sido uma grande dor de cabeça, mesmo assim o relatório da Fifa disse no passado que não havia motivos para preocupação.

"A equipe de inspeção concluiu que o Brasil tem a infraestrutura de transporte aéreo necessária para lidar com o número de visitantes internacionais, assim como com o público que desejar viajar de uma sede para a outra para assistir às partidas", disse o documento.

Envolvimento

Quando a África do Sul foi sede da Copa há quatro anos, a Fifa se envolveu mais no processo.

O Brasil, no entanto, fez as coisas do seu jeito, de uma maneira que poucos imaginariam, especialmente considerando que a Fifa sobrevive em boa parte dos recursos da Copa do Mundo.

A Fifa queria de oito a dez sedes para reduzir os problemas logísticos, mas acabou concordando em permitir que o Brasil usasse 12.

Os organizadores locais então decidiram que as seleções viajariam pelo país em vez de disputar os jogos da fase de grupo numa única sede, aumentando o pesadelo logístico.

A Fifa periodicamente ameaçou e criticou os anfitriões, mas depois recuou diante das previsíveis reações indignadas do Brasil, que se orgulha de ser o "país do futebol".

"A Fifa não tem o controle que gostaria sobre a Copa no Brasil", afirmou Christopher Gaffney, pesquisador e professor visitante da Universidade Federal Fluminense, no Rio de Janeiro. "Pode ter havido uma falta de entendimento sobre o jeitinho brasileiro", acrescentou.

"A opinião geral no Brasil é que a Fifa tem feito tudo o que quer em termos de benefícios fiscais e políticos e deve deixar os brasileiros tomarem conta da realização do torneio."

Menos Democracia

A frustração da Fifa com as três esferas de poder no Brasil, a municipal, a estadual e a federal, foi exposta de maneira pouco sábia por seu secretário-geral, Jérôme Valcke, em abril.

"Menos democracia é às vezes melhor para organizar uma Copa do Mundo", disse ele. "Quando você tem um forte chefe de Estado, que pode decidir, como talvez Vladimir Putin possa fazer em 2018, isso é mais fácil para os organizadores."

Segundo Gaffney, a Fifa parece desorientada.

"A complexidade da estrutura governamental brasileira para o evento faz com que mesmo a Fifa não tenha ideia de onde buscar respostas."

Diante de tal cenário, tudo que a Fifa pode fazer é cruzar os dedos e falar de confiança mútua.

"Não há problemas", disse o presidente da entidade, Joseph Blatter, na quinta-feira, após encontro com a presidente Dilma Rousseff na sede da Fifa, em Zurique.

"No fim das contas, tudo estará em ordem em todos os lugares do Brasil."

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below