Prefeito de Sochi diz que homossexualidade não é aceita na região

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014 10:17 BRST
 

LONDRES, 27 Jan (Reuters) - O prefeito de Sochi, a cidade russa sede da Olimpíada de Inverno que começa em fevereiro, disse que a homossexualidade não é aceita na região do Cáucaso, mas que os visitantes gays são bem-vindos aos Jogos se respeitarem as leis russas.

A posição russa sobre os direitos dos gays, incluindo leis promulgadas no ano passado para proibir a disseminação de "propaganda gay" entre crianças, tem provocado fortes críticas vindas de países ocidentais e de grupos de defesa dos direitos dos gays com a aproximação dos Jogos, manchando o evento orçado em 50 bilhões de dólares.

Em comentários que devem ser transmitidos nesta segunda-feira, o prefeito Anatoly Pakhomov disse ao programa Panorama, da rede britânica BBC: "Nós dizemos apenas que é algo da sua conta, é a sua vida. Mas não é aceito aqui no Cáucaso onde vivemos. Nós não temos (homossexuais) em nossa cidade."

O presidente Vladimir Putin defende as lei russas, dizendo que a Rússia não "persegue" pessoas gays.

Pakhomov disse que os homossexuais seriam bem-vindos durante a Olimpíada, que começa em 7 de fevereiro. "Nossa hospitalidade será estendida a todos que respeitem as leis da Federação Russa e não imponha seus hábitos aos outros", disse ele.

(Reportagem de William James)

 
Mulher tira foto com os anéis olímpicos em frente ao Domo de Gelo Bolshoy, no Parque Olímpico, em Sochi. O prefeito de Sochi, a cidade russa sede da Olimpíada de Inverno que começa em fevereiro, disse que a homossexualidade não é aceita na região do Cáucaso, mas que os visitantes gays são bem-vindos aos Jogos se respeitarem as leis russas. 26/01/2014. REUTERS/Gary Hershorn