ENTREVISTA-Governo se prepara para conter protestos violentos na Copa

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014 18:01 BRST
 

Por Jeferson Ribeiro e Anthony Boadle

BRASÍLIA, 14 Fev (Reuters) - O governo federal se prepara para uma Copa do Mundo com protestos menores e mais violentos do que os que ocorreram durante a Copa das Confederações no ano passado, disse o chefe da Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos (Sesge), Andrei Augusto Passos Rodrigues.

O governo não pretende interferir no direito dos cidadãos de organizar e participar de manifestações, mas não vai tolerar atos de violência como os que têm acontecido nos protestos recentes.

Rodrigues, que chefia os esforços do governo para coordenar órgãos federais e estaduais de segurança e de outras áreas essenciais para realização da Copa do Mundo, diz que a Sesge trabalha com esse cenário mais violento, um novo perfil de protestos que acaba afastando as pessoas que têm o objetivo de se manifestar pacificamente.

"Naquelas manifestações de junho (de 2013) o desenho era de uma grande multidão, pacífica, ordeira e ao final pequenos grupos que não sei por quais razões cometiam atos de barbárie e vandalismo", disse Rodrigues em entrevista exclusiva à Reuters.

"Hoje já houve uma mudança desse cenário. O que nós percebemos agora nas últimas manifestações é um grupo reduzidíssimo de manifestantes e, se não a totalidade, a intensa maioria desse grupo violento", avaliou o secretário, que é policial federal e trabalhou na coordenação da segurança da presidente Dilma Rousseff na campanha eleitoral de 2010.

"Ou seja, com o propósito da violência pela violência. E isso nós não aceitamos", afirmou.

No ano passado, um movimento que nasceu contra o aumento das tarifas de ônibus e acabou ampliando as demandas por melhores serviços públicos e fim da corrupção, culminou com o repúdio aos gastos com o Mundial, tendo como palco principal as partidas da Copa das Confederações.

Os protestos muitas vezes evoluíram para confrontos violentos entre policiais e manifestantes, assustando torcedores no acesso aos estádios, apesar da segurança reforçada. Este ano, durante a Copa, cada um dos estádios terá um perímetro de segurança em que não serão permitidos protestos. Esse perímetro será protegido por barreiras policiais.   Continuação...