Rio tem "grande desafio" de construir laboratório antidoping confiável antes de Olimpíadas

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014 01:05 BRT
 

Por Anna McIntosh

SOCHI, Rússia, 18 Fev (Reuters) - Autoridades brasileiras enfrentam um "grande desafio" para construir um laboratório antidoping em tempo para a Olimpíada de 2016 no Rio de Janeiro, disse nesta terça-feira o chefe de um laboratório antidoping suíço, Martial Saugy.

O laboratório de Saugy será o responsável por testar as amostras durante a Copa do Mundo no Brasil, depois que a Agência Mundial Antidoping (Wada) descredenciou o laboratório Ladetec, único credenciado no Brasil para realizar exames para substâncias proibidas.

O cientista, no entanto, disse que a construção a partir do zero de um laboratório que seja capaz de processar milhares de testes durante os Jogos Olímpicos seria uma "tremenda tarefa", mesmo ainda faltando dois anos para a competição.

"Isso é um grande desafio. Significa que agora que o laboratório foi descredenciado e, até onde sabemos, eles estão reconstruindo um novo prédio para o laboratório da Olimpíada no Rio, e eles terão que refazer toda a equipe", disse Saugy à Reuters TV.

"Claro que a Olimpíada de Verão, com 12 mil atletas, tem muitas, muitas mais amostras do que se tem em Sochi (Olimpíada de Inverno, na Rússia) ou durante a Copa do Mundo, por exemplo", disse Saugy.

A Wada decidiu em agosto que o laboratório do Rio de Janeiro não atendia ao Padrão Internacional para Laboratórios e revogou seu credenciamento.

Amostras recolhidas durante a Copa do Mundo terão de ser enviadas de avião para a Suíça, uma vez que não há um laboratório no Brasil. Isso levantou dúvidas se resultados positivos de doping seriam descobertos a tempo de impedir que os jogadores participem da partida seguinte do torneio.

"Nesse caso, serão testes enormes, todos os jogadores de todas as equipes serão testados antes da competição", disse ele.   Continuação...