Fifa mantém Curitiba como sede da Copa do Mundo apesar de atrasos

terça-feira, 18 de fevereiro de 2014 18:12 BRT
 

Por Tatiana Ramil

FLORIANÓPOLIS, 18 Fev (Reuters) - A Fifa decidiu nesta terça-feira manter Curitiba como uma das 12 sedes da Copa do Mundo de 2014, apesar dos atrasos nas obras da Arena da Baixada, que será entregue apenas em 15 de maio, menos de um mês antes do início do torneio.

A capital paranaense ganha, assim, fôlego para seguir com as obras no estádio e sediar os quatro jogos de primeira fase programados para o local, depois de receber um alerta da Fifa em janeiro pelo atraso nas obras.

"Eles trabalharam bem (em Curitiba) e não há outra decisão possível a não ser manter Curitiba. A cidade entendeu a pressão feita. O estádio está atrasado, é um caminho longo, mas estão trabalhando com afinco", disse o secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, a jornalistas em Florianópolis, após a divulgação da decisão pela prefeitura de Curitiba e pelo Twitter do dirigente, que aparentemente ficou irritado com o vazamento da informação.

"Será uma corrida apertada contra o tempo e o esforço coletivo de todas as partes envolvidas em Curitiba deve continuar em ritmo forte", afirmou o dirigente francês na rede social, acrescentando que equipes da Fifa e do Comitê Organizador Local (COL) permanecerão na capital paranaense para auxiliar no ritmo dos trabalhos.

Até esta sexta-feira deverão ser definidos quantos eventos-teste serão realizados na capital paranaense, segundo o CEO do COL, Ricardo Trade. O que está certo é que o estádio estará em obras quando da instalação das estruturas temporárias, o que a Fifa não queria que ocorresse.

Em janeiro, Valcke visitou a Arena da Baixada e disse que as obras no estádio não estavam apenas atrasadas, mas "muito, muito atrasadas", estabelecendo esta terça como limite para a decisão sobre a permanência de Curitiba na Copa.

Entre as reclamações da Fifa estavam o atraso na cobertura da Arena, na colocação das cadeiras e na preparação do gramado.

Para acelerar o ritmo dos preparativos, os responsáveis pelo estádio criaram um terceiro turno de trabalho, melhoraram o fluxo financeiro e estabeleceram um conselho gestor para comandar a obra do estádio, considerado um dos mais modernos do país antes da construção das novas arenas e por isso não se esperava que se tornasse uma dor de cabeça para a Fifa.   Continuação...