Fifa deve parar de se esquivar da questão dos trabalhadores no Catar, diz Anistia

terça-feira, 25 de março de 2014 19:41 BRT
 

Por Brian Homewood

ZURIQUE, 25 Mar (Reuters) - A Fifa precisa parar de fugir de sua responsabilidade em relação à situação dos direitos trabalhistas de imigrantes no Catar, país que será o anfitrião da Copa do Mundo de 2022, e começar a procurar soluções, disse nesta terça-feira a Anistia Internacional.

"Nós ainda estamos ouvindo declarações sobre até que ponto a Fifa é responsável, mas estão fugindo da questão principal", afirmou James Lynch, pesquisador da Anistia para os trabalhadores imigrantes no Golfo, em entrevista à Reuters por telefone.

"A Fifa quer se posicionar em um ponto inferior na hierarquia em relação a outros atores, mas esse é um argumento ao qual não vale a pena dedicar tempo", declarou.

"Precisamos avançar para o que a Fifa vai fazer e nós gostaríamos de ouvir a Fifa falar em nome dos trabalhadores e resolver o que precisa ser feito."

O Catar tem sido criticado pelo tratamento dado aos trabalhadores imigrantes na indústria da construção civil, depois que o jornal britânico The Guardian informou em setembro que dezenas de nepaleses morreram no ano passado.

A Anistia Internacional e a Confederação Sindical Internacional também criticaram o tratamento aos trabalhadores imigrantes no Catar, temendo que o problema possa agravar-se com o trabalho de construção extra necessário para a Copa do Mundo de 2022.