Para Moody's, Copa dará impulso apenas temporário ao Brasil

segunda-feira, 31 de março de 2014 14:49 BRT
 

SÃO PAULO, 31 Mar (Reuters) - Alguns setores específicos registrarão aumento de receita durante a Copa do Mundo deste ano no Brasil, mas o evento terá pouco impacto duradouro para a maioria daqueles com classificação, avaliou a agência de classificação de risco Moody's em relatório.

A agência destacou os setores de bebidas e alimentos, acomodação, aluguel de carro, publicidade e transmissão de TV como os que mais devem se beneficiar.

"O evento de 32 dias fornecerá aumentos de curta duração nas vendas que não devem ter um efeito material sobre os lucros, e os distúrbios associados com o tráfego, o excesso de pessoas e os dias de trabalho perdidos terão um efeito negativo sobre os negócios", disse a vice-presidente e analista sênior da Moody's Barbara Mattos segundo o relatório.

Ainda assim, Mattos lembrou que a Copa oferece uma oportunidade de exposição na mídia mundial.

O relatório destaca ainda que, embora os 26 bilhões de reais em investimentos planejados para melhorias em estádios e aeroportos, portos e mobilidade urbana sejam positivos para fornecedores locais de infraestrutura, a soma corresponde a apenas 0,7 por cento do investimento total planejado no Brasil para o período de 2010 a 2014 e a maior parte do impacto já foi sentido.

A Moody's ressalta, porém, que receber a Copa não é algo sem risco, uma vez que a imagem do Brasil pode ser afetada por uma reprise das agitações sociais vistas no ano passado na Copa das Confederações, assim como se a infraestrutura necessária não estiver pronta a tempo.