Orçamento de obras de infraestrutura da Olimpíada chega a R$24,1 bi

quarta-feira, 16 de abril de 2014 19:26 BRT
 

RIO DE JANEIRO, 16 Abr (Reuters) - O orçamento para as obras de infraestrutura dos Jogos Olímpicos de 2016 no Rio de Janeiro subiu a 24,1 bilhões de reais, um aumento de 7,6 bilhões de reais sobre o estimado na candidatura, apesar de a organização afirmar que não se pode comparar os valores uma vez que novas obras foram acrescentadas e que as cifras precisam ser atualizadas pela inflação.

O custo das obras de infraestrutura era estimado em cerca de 16,5 bilhões de reais na proposta de candidatura da cidade aos Jogos, em outubro de 2009, e inclui projetos de aeroporto, porto, mobilidade urbana e gestão ambiental, entre outras.

De acordo com o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), a candidatura não previa, por exemplo, a execução da linha 4 do metrô, uma obra de 8 bilhões de reais. O prefeito argumenta ainda que os valores do dossiê de candidatura precisam ser atualizados pela inflação. O índice oficial de inflação do país, IPCA, acumulado no período foi de cerca de 30 por cento.

Por outro lado, alguns projetos das áreas de segurança, saúde e o próprio aeroporto Galeão, concedido à iniciativa privada neste ano, foram retirados da estimativa.

"É um pouco maior porque é legado. Em nenhum momento esteve drenagem da bacia da Praça da Bandeira, linha 4 do metrô. Se quiser se prender ao dossiê de campanha tem só um BRT (sigla em inglês para Bus Rapid Transit) ligando Barra a Zona Sul. Nós aproveitamos para poder fazer a linha 4 de metrô", disse Paes.

Até o momento, o custo total da Olimpíada do Rio chega a 36,7 bilhões de reais, mas ainda falta acrescentar os gastos com mais da metade das obras que serão realizadas exclusivamente para a Olimpíada.

Para tentar justificar o aumento de custo, o prefeito do Rio fez críticas às organizações dos Jogos de Londres-2012 e Pequim-2008. Ele destacou que, ao contrário dos Jogos da China e da Inglaterra, cerca de 60 por cento dos investimentos totais para a Olimpíada do Rio virão da iniciativa privada.

"Essa é a Olimpíada que mais arrecadou recursos privados. O que é mais importante para nós é o legado; ou seja, quanto mais subir o investimento para o legado, melhor", disse.

"Londres usou muito recurso público; o IBC (centro de transmissão) eles não sabem o que fazer; contrataram uma firma de segurança e às vésperas dos Jogos chamaram o Exército... o Ninho de Pássaro é um monumento ao desperdício do dinheiro público", completou, referindo-se ao estádio construído em Pequim.   Continuação...