Teria mais reconhecimento se não fosse africano, diz Touré

sábado, 19 de abril de 2014 13:48 BRT
 

MANCHESTER, Inglaterra, 19 Abr (Reuters) - O meio-campista Yaya Touré, do Manchester City, um dos seis indicados ao prêmio de jogador do ano da Associação de Futebolistas Profissionais (PFA, na sigla em inglês), disse que teria mais reconhecimento mundial se não fosse africano.

Verdadeiro talismã da seleção da Costa do Marfim, Touré acredita que ele e outros africanos, como o compatriota Didier Drogba, do Galatasaray, e o camaronês Samuel Eto'o, do Chelsea, seriam mais valorizados ao redor do mundo se não fosse por sua origem.

Samir Nasri, seu colega no City, insinuou no mês passado que as coisas seriam diferentes para Touré se ele tivesse nascido na Europa ou na América do Sul.

"Acho que o que Samir disse é absolutamente verdadeiro", declarou Touré ao programa de TV Football Focus, da rede BBC. "Para ser honesto, o devido reconhecimento só veio dos torcedores".

"Não quero ser duro, nem negativo, mas quero ser honesto".

Touré conquistou títulos domésticos na Costa do Marfim, Grécia, Espanha e Inglaterra, além da Liga dos Campeões de 2009 com o Barcelona, mas disse que, apesar do sucesso, não é tão conhecido quanto Lionel Messi, do Barça, ou Cristiano Ronaldo, do Real Madrid.

"Se você for a qualquer lugar da África hoje, as pessoas dirão 'sim, conhecemos (Messi)', mas quando você vem à Europa e diz 'Yaya Touré' as pessoas dizem ‘quem é esse?'", acrescentou.