Criticado pelo COI, Rio admite necessidade de "trabalhar muito" por Jogos de 2016

terça-feira, 29 de abril de 2014 15:57 BRT
 

RIO DE JANEIRO, 29 Abr (Reuters) - Os organizadores dos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro reconheceram nesta terça-feira que precisam intensificar o trabalho de preparação para a Olimpíada de 2016, após o vice-presidente do COI ter dito que os preparativos do Brasil são os piores que já viu, mas prometeram cumprir os prazos acertados para a realização do evento.

"Nós temos que aceitar as críticas e trabalhar muito. Temos que trabalhar com muito zelo e dedicação para entregar tudo direitinho", disse o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PMDB), de acordo com o portal de notícias G1, ao ser questionado sobre as críticas feitas pelo vice-presidente do COI, o australiano John Coates, a respeito dos preparativos cariocas.

Em um fórum olímpico realizado em Sydney nesta terça, Coates disse a delegados que os trabalhos no Brasil para os Jogos de 2016 são "os piores" que ele já viu e estão gravemente atrasados, apesar de ter garantido que não há "plano B" para realizar a Olimpíada em outro local.

"Há pouca coordenação entre os governos federal, estadual e municipal -- que é responsável por grande parte da construção. E isso é ruim para uma cidade que tem problemas sociais que também têm de ser resolvidos, um país que também está tentando lidar com a Copa do Mundo chegando em poucos meses. É a pior que eu já vivi", disse Coates.

Os Jogos do Rio, os primeiros da história a serem realizados na América do Sul, têm sofrido com atrasos nos preparativos, o que resultou em duras críticas das federações internacionais.

O COI anunciou uma série de medidas este mês para acelerar os trabalhos, incluindo a contratação de mais monitores e de gerentes de projetos para fiscalizar o andamento da preparação, além de ampliar o número de viagens ao Rio do diretor de Jogos Olímpicos da entidade, Gilbert Felli.

Entre os principais problemas enfrentados pelo Rio está o atraso no início das obras do Complexo de Deodoro, onde serão disputadas oito modalidades, que teve licitação lançada somente este mês, a poluição da baía de Guanabara, onde serão realizadas as provas de vela, e a falta de orçamento para diversos projetos voltados aos Jogos Olímpicos.

O comitê organizador Rio 2016 disse em nota divulgada após as declarações de Coates que é hora de se concentrar no trabalho que precisa ser feito e que houve progresso nas últimas semanas, como o lançamento do edital de Deodoro.

"Temos uma missão histórica: organizar os primeiros Jogos Olímpicos e Paralímpicos no Brasil e na América do Sul. Vamos fazer isso. Em 2016, o Rio vai realizar excelentes Jogos que serão entregues absolutamente dentro dos prazos e orçamentos acertados."

Até o momento o custo da Olimpíada do Rio chega a 37,5 bilhões de reais, mediante previsão de gasto de 29 bilhões de reais na candidatura, mas as autoridades da cidade alegam que não se pode comparar os valores uma vez que houve mudanças de projetos e que as cifras de 2009 precisam ser atualizadas pela inflação.

(Por Pedro Fonseca)