May 8, 2014 / 4:43 PM / 3 years ago

SAIBA MAIS-Conheça a seleção da Bélgica

4 Min, DE LEITURA

BRUXELAS, 8 Mai (Reuters) - Veja abaixo informações sobre a seleção da Bélgica, uma das 32 equipes que vão disputar a Copa do Mundo de 2014 no Brasil.

Desempenho e prognósticos

A atual geração da Bélgica é rica em talento, incluindo o capitão e pilar defensivo, o zagueiro Vincent Kompany, o combativo Marouane Fellaini e o habilidoso meia Eden Hazard. No papel, o time pode até disputar o título do Mundial no Brasil.

O país, em sua primeira participação numa Copa desde 2002, tem opções para pelo menos um substituto em todas as posições, incluindo dois dos melhores jovens atacantes do Campeonato Inglês, Romelu Lukaku e Adnan Januzaj, assim como os goleiros Thibaut Courtuois e Simon Mignolet.

A ascensão belga no ranking da Fifa foi meteórica, indo da 53ª posição no início das eliminatórias para o quinto lugar quando a Bélgica assegurou vaga no Brasil depois de uma campanha invicta.

Torcedores mais antigos vão se lembrar das gerações belgas das décadas de 1970 e 1980, incluindo aquela que tinha Jean-Marie Pfaff, Jan Ceulemans e Enzo Scifo, que chegou às semifinais no Mundial de 1986.

Para muitos na Bélgica, a vitória por 4 x 2 sobre a rival Holanda em agosto de 2012 foi o gatilho para uma mudança na mentalidade e um aumento na auto-confiança.

Críticos apontam como ponto negativo a falta de poder de fogo do ataque, que ficou evidenciada numa derrota por 2 x 0 para a Colômbia no ano passado.

A propensão de Kompany a lesões também é um fator que pode atrapalhar as chances da equipe.

Técnico: Marc Wilmots

Um meio-campista combativo, apelidado de "Kampfschwein" (porco de combate) pelos torcedores da equipe alemã Schalke 04, que passaram a idolatrá-lo depois do título da Copa da Uefa de 1997, Wilmots marcou 28 gols em 70 partidas com a seleção e disputou três Copas do Mundo.

Depois de aposentar as chuteiras, o treinador de 45 anos se envolveu com política e começou a carreira de técnico, embora sua primeira experiência, com o St Truiden, das divisões inferiores, tenha durado somente oito meses.

A virada veio em 2009, quando o holandês Dick Advocaat o levou para ser auxiliar técnico na seleção belga, posto que ele manteve quando o sucessor de Advocaat, Georges Leekens, assumiu a equipe.

Wilmots foi questionado ao substituir Leekens em maio de 2012, mas conseguiu incutir espírito e confiança na equipe, além de inteligência tática. Ele também conseguiu ser bem-sucedido ao ajustar o plano de jogo de seu time aos adversários.

Jogador-chave: Eden Hazard

Apesar do talento, a Bélgica tem tido dificuldade de marcar gols quando enfrenta defesas bem organizadas, mas Hazard, que atua no Chelsea, é alguém com a capacidade de driblar contra uma defesa fechada ou dar um passe para gol.

Sob o comando de Leekens na seleção, Hazard não conseguia repetir as atuações do seu clube à época, o francês Lille, pelo qual levou duas vezes o prêmio de melhor jogador do Campeonato Francês.

Hazard se envolveu em polêmicas em 2011 quando, ao ser substituído durante uma partida contra a Turquia, foi visto comendo um hambúrguer do lado de fora do estádio enquanto o jogo ainda acontecia.

Com Wilmots, Hazard ganhou um mentor e alguém que pode encorajá-lo e dar-lhe confiança. Hazard recompensou a confiança depositada nele, especialmente na partida em casa contra a Macedônia, ao criar um lance mágico que levou ao gol da vitória.

Histórico em Copas

Participações anteriores: 11 (1930, 1934, 1938, 1954, 1970, 1982, 1986, 1990, 1994, 1998 e 2002)

Melhor campanha: Semifinalista em 1986

Reportagem de Philip Blenkinsop

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below