Avião cai no Recife e mata as 16 pessoas a bordo

quarta-feira, 13 de julho de 2011 19:30 BRT
 

Por Yukari Sekine

SÃO PAULO (Reuters) - As caixas-pretas do avião bimotor da Noar Linhas Aéreas que caiu na zona sul do Recife na manhã desta quarta-feira foram recuperadas e enviadas ao comando investigador do acidente, afirmou o diretor para Assuntos Corporativos e Comerciais da companhia aérea, Giovanne Farias.

O acidente aconteceu logo depois de a aeronave decolar nesta manhã da capital pernambucana para Mossoró (RN), com escala em Natal, matando todas as 16 pessoas a bordo, informaram a empresa e a Aeronáutica.

A aeronave decolou do Aeroporto Internacional do Recife às 6h51 com 14 passageiros e dois tripulantes a bordo. O avião caiu às 6h55 num terreno baldio entre os bairros de Piedade e Boa Viagem e estava em chamas quando os bombeiros chegaram ao local. Imagens da televisão mostraram o avião, um bimotor LET 410 com prefixo PR-NOB, completamente destruído.

"Nesse primeiro momento, a prioridade da companhia aérea é prestar todo o atendimento necessário aos familiares das vítimas. É isso o que está sendo feito com disponibilidade de transporte, hospedagem e acompanhamento de equipe multidisciplinar", disse a companhia aérea em nota oficial.

Todos os 16 corpos estavam carbonizados e nove viaturas do Corpo de Bombeiros atenderam a ocorrência. Farias afirmou que os corpos foram levados para o Instituto Médico Legal e que os agentes foram até os hotéis onde familiares estão hospedados para colher amostras a fim de identificar as vítimas.

Segundo Farias, a aeronave tinha menos de um ano de operação e a última manutenção foi realizada no último fim de semana durante três dias, cumprindo os respectivos boletins de serviço da manutenção dos fabricantes da aeronave e do motor.

"O último voo dessa aeronave foi ontem à noite (terça-feira) e ela já havia voado 17 horas e 4 minutos após essa última revisão", disse Farias em entrevista coletiva, acrescentando que o avião voava com 5.559 quilos, dentro do limite permitido de 6.600 quilos.

A empresa afirmou que "as habilitações técnicas e os certificados de capacitação física dos pilotos estavam regulares", e a Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), confirmou que a aeronave havia passado por um processo de manutenção recente e que estava regularizada.   Continuação...