Vitória de Obama deixa investidores dos EUA de olho no abismo fiscal

quarta-feira, 7 de novembro de 2012 07:33 BRST
 

Por Rodrigo Campos e Steven C. Johnson

NOVA YORK, 7 Nov (Reuters) - Os investidores norte-americanos vão chegar aos pregões na manhã desta quarta-feira com o mesmo presidente e os mesmos problemas em Washington. Em primeiro lugar, a crise orçamentária iminente que pode provocar problemas à economia dos EUA.

O presidente Barack Obama derrotou o republicano Mitt Romney para conquistar um segundo mandato na Casa Branca, mas ainda terá de lidar com uma Câmara dos Deputados controlada pelos republicanos que pode tornar difícil um acordo para adiar o "abismo fiscal".

"Não será uma mudança imediata para o impasse do governo e a questão do abismo fiscal, e isso será um vento contrário para as ações", disse Michael Yoshikami, diretor executivo e fundador da Destination Wealth Management em Walnut Creek, Califórnia.

O abismo fiscal é um pacote de 600 bilhões de dólares em aumentos de impostos e cortes de gastos automáticos, previsto para entrar em vigor no final de 2012, que pode afetar seriamente o crescimento econômico dos EUA.

Obama deve exigir aumentos de impostos para os ricos, como parte de um acordo para reduzir os gastos para combater o déficit do país. Muitos investidores acreditavam que se Romney fosse eleito presidente teria um tempo maior para as negociações.

"O verdadeiro desafio para (Obama) é superar as diferenças com o Congresso e trabalhar para ficar no meio", disse Jason Ader, um ex-analista de Wall Street e partidário de Romney.

Steven Englander, chefe de estratégia de câmbio do G10 do Citigroup, disse que os mercados poderiam entrar em pânico até o fim do ano se parecer que nenhum acordo será fechado para evitar o abismo fiscal.

Se isso acontecer, aumentaria a possibilidade de que as principais agências de classificação de crédito cortem o rating da dívida dos EUA.   Continuação...

 
Reeleito, Barack Obama terá que lidar com uma Câmara dos Deputados controlada pelo Partido Republicano. 06/11/2012. REUTERS/Jim Bourg