ANÁLISE-No fim, Obama venceu por causa da economia

quarta-feira, 7 de novembro de 2012 10:51 BRST
 

Por Andy Sullivan

WASHINGTON, 7 Nov (Reuters) - No final, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, conseguiu a reeleição justamente pela questão que poderia ter encerrado sua passagem pela Casa Branca: a letárgica economia norte-americana.

Os Estados Unidos ainda estão se arrastando para sair da pior recessão em 80 anos, e os empregadores mal conseguem acrescentar vagas suficientes para equacionar o crescimento populacional. Trilhões de dólares de propriedades familiares desapareceram na bolha habitacional, enquanto o fosso entre ricos e pobres se alargou.

Historicamente, porém, os eleitores dão um segundo mandato aos presidentes em exercício que governam com um crescimento econômico, ainda que modesto, em ano eleitoral.

Esse padrão se manteve com Obama. Se a economia não está exatamente vibrante, melhorou de forma estável ao longo de 2012.

"Não seria uma vitória esmagadora", disse John Sides, professor de ciências políticas na Universidade George Washington. "Mas sempre foi a disputa dele para perder".

O presidente democrata tomou medidas importantes para melhorar a economia, mas elas não pareceram ajudá-lo muito aos olhos dos eleitores. As pesquisas mostram profundas divisões sobre os méritos do estímulo de 2009, suas reformas financeiras Dodd-Frank e o pacote de resgate da indústria automobilística.

Mas as medidas fizeram a diferença em um ponto importante. Obama fez uma campanha forte sobre o resgate automobilístico em Ohio, onde 1 em cada 8 empregados está ligado à indústria.

Isso pode tê-lo ajudado a limitar seus danos entre os trabalhadores brancos, uma fatia do eleitorado que Romney ganhou em outros lugares.   Continuação...

 
Reeleito, Barack Obama conseguiu vencer justamente pelos posicionamentos em relação a economia. 07/11/2012. REUTERS/Jim Bourg