Hu diz que corrupção ameaça regime chinês e defende Partido Comunista

quinta-feira, 8 de novembro de 2012 09:41 BRST
 

Por Sui-Lee Wee e Ben Blanchard

PEQUIM, 8 Nov (Reuters) - O presidente da China, Hu Jintao, alertou nesta quinta-feira aos futuros líderes do país que a corrupção ameaça o Partido Comunista e o próprio Estado, mas que o partido deve manter o controle para enfrentas as crescentes agitações sociais.

Em discurso a mais de 2.000 delegados do congresso partidário, Hu admitiu que a insatisfação popular com a corrupção e com questões como a degradação ambiental afetou o apoio ao partido e levou a um aumento no número de protestos.

Em outros trechos, ele prometeu reforma política, mas descartou copiar a democracia em estilo ocidental. Salientou também a necessidade de fortalecer as Forças Armadas e proteger o território marítimo, em meio a disputas com o Japão e nações do Sudeste Asiático.

"Combater a corrupção e promover a integridade política, o que é uma importante questão política de grande preocupação para o povo, é um compromisso político claro e de longo prazo para o partido", disse Hu.

"Se não conseguirmos tratar bem essa questão, ela pode se provar fatal para o partido, e até causar o colapso do partido e a queda do Estado. Devemos assim fazer esforços persistentes para combater a corrupção", acrescentou.

O discurso foi feito no Grande Salão do Povo, em Pequim, no início de um congresso partidário de uma semana que irá lançar um processo de sucessão que acontece a cada década no país mais populoso do mundo.

Apesar da importância do evento e do foco em questões delicadas, como reformas e corrupção, as declarações não foram consideradas excepcionais, pois reforçaram ideias e temas já existentes.

"Foi um relato bastante conservador", disse Jin Zhong, editor da revista independente Open Magazine, de Hong Kong, especializada em política chinesa. "Não há nada lá que sugira qualquer progresso nas reformas políticas."   Continuação...

 
Presidente chinês, Hu Jintao, faz discurso durante cerimônia de abertura do 18o Congresso Nacional do Partido Comunista no Grande Salão do Povo, em Pequim. 08/11/2012 REUTERS/Jason Lee