12 de Novembro de 2012 / às 12:32 / em 5 anos

Grupos da oposição síria fecham acordo de união contra Assad

O primeiro-ministro do Catar Sheikh Hamad bin Jassim Al-Thani (D) parabeniza o novo líder da coalizão nacional síria, Mouaz al-Khatib, durante reunião da assembleia geral do conselho nacional sírio, em Doha. Após dias de discussões acirradas no Catar sob pressão constante de autoridades árabes, dos EUA e de outros líderes, representantes de grupos rebeldes, incluindo dissidentes das Forças Armadas e minorias étnicas e religiosas, concordaram, no domingo, em participar de uma nova assembleia para formar um governo no exílio. Eles elegerem por unanimidade o clérigo reformista de Damasco Mouaz al-Khatib como seu presidente. 11/11/2012Mohammed Dabbous

Por Rania El Gamal e Regan Doherty

DOHA, 12 Nov (Reuters) - Os divididos grupos de oposição da Síria finalmente deixaram de lado diferenças profundas e declararam apoio a um novo líder de uma coalizão que os aliados ocidentais e árabes esperam que consiga derrubar o presidente Bashar al-Assad e assumir o país.

Após dias de discussões acirradas no Catar sob pressão constante de autoridades árabes, dos EUA e de outros líderes, representantes de grupos rebeldes, incluindo dissidentes das Forças Armadas e minorias étnicas e religiosas, concordaram, no domingo, em participar de uma nova assembleia para formar um governo no exílio. Eles elegerem por unanimidade o clérigo reformista de Damasco Mouaz al-Khatib como seu presidente.

Khatib, um pregador de voz suave que já foi imã da antiga mesquita dos Omíadas em Damasco, imediatamente fez um pedido a soldados para que abandonem o Exército sírio e para que todas as seitas sírias se unam.

"Exigimos a liberdade de todos os sunitas, alauítas, ismailis (xiitas), cristãos, drusos, assírios... e os direitos de todas as partes do harmonioso povo sírio", disse ele a repórteres.

Ainda não se sabe se a Coalizão Nacional Síria para a Oposição e as Forças Revolucionárias conseguirão superar as suspeitas mútuas e os combates internos que enfraqueceram o movimento de oposição de 20 meses, que tenta acabar com quatro décadas de governo da família do presidente Assad.

Mas para os aliados no exterior, que esperam uma repetição na Síria do Conselho Nacional de Transisção da Líbia que derrubou Muammar Gaddafi, o acordo foi bem-vindo num dia em que Israel disparou um míssil depois que uma bomba de morteiro lançada da Síria atingiu as Colinas de Golã, e em que as forças de Assad fizeram ataques pelo ar ao longo da fronteira da Turquia.

"Vamos nos esforçar a partir de agora para ter este novo órgão completamente reconhecido por todas as partes... como o único representante legítimo do povo sírio", disse o primeiro-ministro do Catar, xeique Hamad bin Jassim, um importante aliado dos rebeldes.

O ministro das Relações Exteriores da Turquia, Ahmed Davutoglu, disse que "não há mais desculpas" para governos estrangeiros não apoiarem a oposição síria unida.

Os Estados Unidos também se esforçaram para o sucesso do encontro em Doha para unir as várias facções e, notadamente, transformar o anteriormente ineficaz Conselho Nacional Sírio em um órgão mais amplo que incluísse todas as minorias de um país de diversidades étnica e religiosa.

A França, aliada dos rebeldes e que no passado já governou a Síria, saudou o acordo. "A França vai trabalhar com os seus parceiros para assegurar o reconhecimento internacional desta nova entidade como representante das aspirações do povo sírio", disse o ministro das Relações Exteriores francês, Laurent Fabius, num comunicado em que chamou o governo Assad de "regime criminoso de Damasco".

Vinte meses depois que as manifestações de rua inspiradas na Primavera Árabe provocaram uma resposta militar de Assad, seus inimigos esperam que uma oposição mais coesa possa quebrar um impasse na guerra civil e ganhar mais apoio militar e diplomático do exterior por parte de aliados que até então vinham sendo cautelosos diante da presença de militantes anti-Ocidental, alguns deles ligados à Al Qaeda.

Rússia e China, que bloquearam iniciativas anteriores contra Assad no Conselho de Segurança da ONU, não devem alterar suas posições exigindo diálogo com Assad. Os dois países dizem que os grupos de oposição estão sendo escravizado pelo Ocidente.

Reportagem adicional de Andrew Hammond em Doha, Khaled Yacoub Oweis em Amã e Brian Love em Paris

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below