Explosão de ônibus em Tel Aviv deixa ao menos 10 feridos

quarta-feira, 21 de novembro de 2012 09:42 BRST
 

TEL AVIV, 21 Nov (Reuters) - Uma explosão atingiu um ônibus no coração de Tel Aviv nesta quarta-feira, ferindo pelo menos 10 pessoas, no que autoridades israelenses afirmaram ser um ataque terrorista.

A explosão destruiu as janelas do ônibus, que estava trafegando em uma rua paralela à sede do Ministério da Defesa de Israel. O serviço de emergências de Israel disse que três dos feridos estavam em condições de moderada a séria.

"Uma bomba explodiu em um ônibus no centro de Tel Aviv. Foi um ataque terrorista. A maioria dos feridos sofreu ferimentos leves", disse Ofir Gendelman, porta-voz do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu.

Em uma mensagem no Twitter, ele afirmou que a polícia estava vasculhando a área pela pessoa que havia plantado o dispositivo, aparentemente confirmando relatos de que não foi um ataque suicida. A mídia israelense disse que um homem havia sido preso.

O ataque aconteceu no oitavo dia de uma ofensiva israelense contra a Faixa de Gaza, que foi iniciada com o objetivo de acabar com os lançamentos de foguetes de militantes palestinos contra o sul de Israel.

Tiros de celebração foram disparados na Cidade de Gaza quando emissoras de rádio locais informaram sobre a explosão em Tel Aviv.

O porta-voz do Hamas Sami Abu Zuhri elogiou a explosão, mas não assumiu a responsabilidade.

"O Hamas abençoa o ataque em Tel Aviv e o vê como uma resposta natural aos massacres israelenses... em Gaza", disse ele à Reuters.

"Facções palestinas irão recorrer a todos os meios a fim de proteger nossos civis palestinos, na ausência de um esforço mundial para impedir a agressão israelense", disse Abu Zuhri.

A última vez em que a capital comercial de Israel foi atingida por uma séria explosão de bomba foi em abril de 2006, quando um homem-bomba palestino matou 11 pessoas em uma lanchonete perto da antiga rodoviária da cidade.

 
Médicos israelenses socorrem homem ferido no local da explosão de um ônibus em Tel Aviv, Israel. 21/11/2012 REUTERS/Nir Elias