Relator da CPI do Cachoeira não lê parecer e admite mudanças

quinta-feira, 22 de novembro de 2012 17:39 BRST
 

Por Jeferson Ribeiro

BRASÍLIA, 22 Nov (Reuters) - Sob pressão, o relator da CPI do Cachoeira, deputado Odair Cunha (PT-MG), adiou mais uma vez nesta quinta-feira a leitura do seu relatório final, com o argumento de buscar um entendimento com líderes partidários, admitindo que pode fazer mudanças no parecer que desagradou a maioria da comissão.

Cunha surpreendeu os membros da comissão ao pedir a palavra no início dos trabalhos e adiar para a próxima quarta-feira a leitura do relatório de mais de 5 mil páginas apresentado na véspera e que pede indiciamento e responsabilização criminal de 46 pessoas.

Entre elas, estão o governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), o dono da empreiteira Delta, Fernando Cavendish, e o pivô das investigações o empresário Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira.

"O que apresentei ontem (quarta) é a posição do relator... Vou continuar perseguindo fazer um relatório que espelhe a maioria da comissão", disse Cunha durante a sessão ao justificar porque estava pedindo um novo adiamento.

O relatório apresentado na quarta-feira gerou uma onda de reclamações de membros da oposição, que acusaram o relator de fazer um trabalho parcial que atendia apenas os interesses do PT, e de aliados, que questionam a inclusão entre os indiciados de jornalistas que mantiveram contato com Cachoeira e o pedido de investigação contra o procurador-geral da República, Roberto Gurgel.

O novo adiamento pedido por Cunha também foi motivado por divisões dentro do próprio PT, segundo uma fonte próxima ao relator, que falou sob condição de anonimato. Ele se sentiu abandonado pela cúpula do partido depois de apresentar o relatório, segundo essa fonte.

SUPRESSÕES PONTUAIS

Antevendo que seu relatório seria rejeitado pela comissão do jeito que foi apresentado, Cunha decidiu abrir o diálogo com os líderes partidários e, agora, já admite fazer mudanças para aprovar o seu parecer.   Continuação...

 
Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, é visto ao testemunhar durante comissão parlamentar de inquérito no Senado Federal em Brasília, em maio. Sob pressão, o relator da CPI do Cachoeira, deputado Odair Cunha (PT-MG), adiou mais uma vez nesta quinta-feira a leitura do seu relatório final, com o argumento de buscar um entendimento com líderes partidários, admitindo que pode fazer mudanças no parecer que desagradou a maioria da comissão. 22/05/2012 REUTERS/Ueslei Marcelino