Credores da Grécia avançam em acordo sobre viabilidade de dívida--fonte

sexta-feira, 23 de novembro de 2012 10:25 BRST
 

ATENAS, 23 Nov (Reuters) - Os credores internacionais da Grécia concordaram com novas medidas para reduzir mais a dívida do país, mas ainda é preciso preencher um déficit de 10 bilhões de euros para conseguir a aprovação do Fundo Monetário Internacional (FMI) para sua próxima parcela de ajuda, afirmou nesta sexta-feira uma autoridade do governo grego.

O FMI concordou em considerar a dívida do país viável se ela cair para 124 por cento do PIB em 2020, ante meta anterior de 120 por cento, disse a autoridade sob condição de anonimato.

"O eurogroup já concordou com medidas para reduzir a dívida grega a 130 por cento do PIB em 2020, então isso deixa um déficit de 5 a 6 pontos percentuais do PIB a ser coberto --cerca de 10 bilhões de euros", completou ele.

A autoridade não informou quais medidas foram identificadas que reduziria a estimativa dos credores da dívida pública em 2020 ante 144 por cento do PIB anteriormente.

Outra fonte envolvida nas negociações confirmou que o FMI irá agora aceitar 124 por cento como meta, mas afirmou que dizer que o déficit remanescente seria de apenas 10 bilhões de euros é muito otimista.

De acordo com projeções atuais do governo, a dívida grega é estimada em 340,6 bilhões de euros, ou 175,6 por cento do PIB no final de 2012. A expectativa é que atinja 357,7 bilhões de euros, quase 191 por cento, em 2015.

Os credores internacionais da Grécia falharam nesta semana em concordar sobre como reduzir a dívida do país para um nível sustentável e terão uma terceira rodada para resolver seus problemas na segunda-feira.

De acordo com um documento que circulou na reunião, a dívida da Grécia não pode ser reduzida para 120 por cento do PIB até 2020, a menos que membros da zona do euro aceitem perdas em uma parte de seus empréstimos à Grécia, o que a Alemanha tem dito que seria ilegal.

O documento preparado para a reunião de ministros das Finanças da zona do euro e visto pela Reuters destacava várias opções, incluindo usar cerca de 10 bilhões de euros para recomprar bônus.

Existem também propostas para reduzir a taxa de juros sobre empréstimos já ampliados por países da zona do euro à Grécia, para impor uma moratória sobre pagamentos de juros e alongar os vencimentos dos empréstimos, sendo que tudo reduziria o peso da dívida.

(Reportagem de Harry Papachristou)