Mano Menezes é demitido do comando da seleção brasileira

sexta-feira, 23 de novembro de 2012 18:37 BRST
 

Por Tatiana Ramil

SÃO PAULO, 23 Nov (Reuters) - O técnico Mano Menezes foi demitido do comando da seleção brasileira de futebol nesta sexta-feira, após dois anos e um período irregular no cargo, deixando a equipe sem liderança na preparação para a Copa das Confederações do ano que vem e a Copa do Mundo de 2014 em casa.

A decisão pela saída do treinador foi tomada pelo presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), José Maria Marin, anunciou o diretor de seleções da entidade, Andrés Sanchez, depois de uma reunião em São Paulo.

"Todo mundo sabe que venho defendendo a continuidade do trabalho, mas também entendo e sei respeitar a hierarquia. Querem um novo projeto para o ano que vem", disse Sanchez em entrevista coletiva.

"Fui voto vencido, mas eu entendi os métodos, o novo planejamento e por isso será mudado...ele (Marin) está sendo corajoso", acrescentou.

O diretor de seleções afirmou que o nome do novo treinador será anunciado em janeiro de 2013. Entre os cotados estão Luiz Felipe Scolari, campeão mundial com a seleção em 2002, Muricy Ramalho, técnico do Santos, e Tite, treinador do Corinthians.

"Não vou citar nomes...sou contra treinador estrangeiro, mas vamos discutir nas próximas semanas", disse o dirigente, para quem o futuro da seleção é uma incógnita. "(A mudança) pode atrapalhar como pode ajudar, o tempo vai dizer."

Mano Menezes comentou a demissão em sua conta no Twitter. "Fica aqui o meu agradecimento a todos que trabalharam comigo nesse projeto, em especial, aos jogadores convocados nesse período, e a todos aqueles que acreditaram no nosso trabalho", disse.

"Desejo, desde já, sucesso à seleção brasileira na conquista do sonho maior da nossa torcida que é o título do hexacampeonato de 2014", acrescentou.   Continuação...

 
O então técnico da seleção brasileira, Mano Menezes, fala em coletiva de imprensa no Rio de Janeiro. Menezes foi demitido do comando da seleção brasileira de futebol. 27/09/2012 REUTERS/Sérgio Moraes