23 de Novembro de 2012 / às 19:08 / em 5 anos

Mano Menezes é demitido do comando da seleção brasileira

O então técnico da seleção brasileira, Mano Menezes, fala em coletiva de imprensa no Rio de Janeiro. Menezes foi demitido do comando da seleção brasileira de futebol. 27/09/2012Sérgio Moraes

Por Tatiana Ramil

SÃO PAULO, 23 Nov (Reuters) - O técnico Mano Menezes foi demitido do comando da seleção brasileira de futebol nesta sexta-feira, após dois anos e um período irregular no cargo, deixando a equipe sem liderança na preparação para a Copa das Confederações do ano que vem e a Copa do Mundo de 2014 em casa.

A decisão pela saída do treinador foi tomada pelo presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), José Maria Marin, anunciou o diretor de seleções da entidade, Andrés Sanchez, depois de uma reunião em São Paulo.

"Todo mundo sabe que venho defendendo a continuidade do trabalho, mas também entendo e sei respeitar a hierarquia. Querem um novo projeto para o ano que vem", disse Sanchez em entrevista coletiva.

"Fui voto vencido, mas eu entendi os métodos, o novo planejamento e por isso será mudado...ele (Marin) está sendo corajoso", acrescentou.

O diretor de seleções afirmou que o nome do novo treinador será anunciado em janeiro de 2013. Entre os cotados estão Luiz Felipe Scolari, campeão mundial com a seleção em 2002, Muricy Ramalho, técnico do Santos, e Tite, treinador do Corinthians.

"Não vou citar nomes...sou contra treinador estrangeiro, mas vamos discutir nas próximas semanas", disse o dirigente, para quem o futuro da seleção é uma incógnita. "(A mudança) pode atrapalhar como pode ajudar, o tempo vai dizer."

Mano Menezes comentou a demissão em sua conta no Twitter. "Fica aqui o meu agradecimento a todos que trabalharam comigo nesse projeto, em especial, aos jogadores convocados nesse período, e a todos aqueles que acreditaram no nosso trabalho", disse.

"Desejo, desde já, sucesso à seleção brasileira na conquista do sonho maior da nossa torcida que é o título do hexacampeonato de 2014", acrescentou.

Mano, contratado após a Copa do Mundo de 2010, não conseguiu dar regularidade ao time brasileiro, que falhou nos dois principais torneios que disputou neste período: foi eliminado nas quartas de final da Copa América de 2011 nos pênaltis, diante do Paraguai, e perdeu a final dos Jogos Olímpicos de Londres para o México.

Depois da perda do ouro olímpico, em agosto, a seleção acumulou bons resultados contra Suécia, África do Sul, China, Iraque e Japão. Mas os questionamentos persistiam sobre uma falta de padrão na equipe.

Nos últimos dois jogos, disputados neste mês, o Brasil empatou com a Colômbia por 1 x 1 e perdeu para a Argentina por 2 x 1, na última quarta-feira. Apesar da derrota, a seleção ficou com o título do Superclássico das Américas nos pênaltis, já que havia vencido a partida de ida pelo mesmo placar.

SEGUNDA OPÇÃO

Mano Menezes foi convidado para dirigir a seleção brasileira após a recusa do técnico Muricy Ramalho, que não foi liberado por seu clube à época, o Fluminense. O ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira, então, optou por Mano, que comandava o Corinthians.

Ao assumir depois da campanha fracassada no Mundial de 2010, quando o Brasil, sob liderança de Dunga, foi eliminado nas quartas de final para a Holanda, Mano Menezes iniciou uma reformulação no grupo e chamou logo em sua primeira convocação os jovens Neymar e Paulo Henrique Ganso.

Na partida de estreia, o Brasil derrotou os Estados Unidos por 2 x 0. Depois vieram vitórias sobre Irã e Ucrânia, ainda em 2010.

Mas derrotas para seleções mais tradicionais, como Argentina, França e Alemanha, e também a eliminação na Copa América, fizeram surgir críticas ao trabalho do treinador de 50 anos, que tem como principais títulos em clubes o bicampeonato gaúcho com o Grêmio e os troféus da Copa do Brasil e Campeonato Paulista pelo Corinthians. Mano foi ainda campeão da Série B pelos dois times.

Apesar de contar com o talento de Neymar, a seleção brasileira nunca teve uma boa sequência de jogos e, para os últimos confrontos, Mano resolveu convocar o meia Kaká, que não vem atuando como titular do Real Madrid, mas deixou boa impressão nas partidas contra Iraque, Japão e Colômbia.

A melhora recente, no entanto, não foi suficiente para segurar Mano, que teve o cargo ameaçado principalmente após a troca no comando na CBF, em março deste ano.

Mano deixa a seleção brasileira após 40 jogos, com 27 vitórias, seis empates e sete derrotas.

0 : 0
  • narrow-browser-and-phone
  • medium-browser-and-portrait-tablet
  • landscape-tablet
  • medium-wide-browser
  • wide-browser-and-larger
  • medium-browser-and-landscape-tablet
  • medium-wide-browser-and-larger
  • above-phone
  • portrait-tablet-and-above
  • above-portrait-tablet
  • landscape-tablet-and-above
  • landscape-tablet-and-medium-wide-browser
  • portrait-tablet-and-below
  • landscape-tablet-and-below